Paraisópolis adota 'estrutura de guerra' para enfrentar coronavírus

Escolas viraram centros de acolhimento para moradores com a doença e voluntários monitoram os vizinhos

(Foto: Pref. SP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A favela de Paraisópolis, na zona sul da cidade de São Paulo, adotou uma "estrutura de guerra" para o combate ao coronavírus. Escolas viraram centros de acolhimento para moradores com a doença e voluntários monitoram os vizinhos. Também foram contratadas três ambulâncias e sete profissionais da saúde, incluindo dois médicos. O estado de São Paulo tem pelo menos 9,3 mil confirmações de covid-19.

Cada centro tem 16 salas e capacidade para acolher 260 pessoas. "Acho que vai faltar lugar", lamenta Gilson Rodrigues, líder comunitário de Paraisópolis e coordenador nacional do G10 das favelas. O relato foi publicado no jornal O Estado de S.Paulo.

As casas de apoio abrigarão moradores com covid-19 que convivem em suas casas com grupos de risco: idosos e pessoas com doenças crônicas. "Decidimos criar um espaço de acolhimento e isolamento para evitar a contaminação", afirma Rodrigues.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247