Pedro Paulo e filho de Cabral vão a Brasília votar pelo impeachment

Deputados federais licenciados pelo PMDB Marco Antonio Cabral, filho do ex-governador Sérgio Cabral, e Pedro Paulo Carvalho, braço direito do prefeito do Rio, Eduardo Paes, retomam o mandato e desembarcam a partir de quinta-feira em Brasília para votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff; maioria do PMDB fluminense deve apoiar o afastamento da presidente; entre os resistentes estão o ministro da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera, que reassumirá o mandato para votar contra o impeachment, e o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani

Deputados federais licenciados pelo PMDB Marco Antonio Cabral, filho do ex-governador Sérgio Cabral, e Pedro Paulo Carvalho, braço direito do prefeito do Rio, Eduardo Paes, retomam o mandato e desembarcam a partir de quinta-feira em Brasília para votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff; maioria do PMDB fluminense deve apoiar o afastamento da presidente; entre os resistentes estão o ministro da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera, que reassumirá o mandato para votar contra o impeachment, e o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani
Deputados federais licenciados pelo PMDB Marco Antonio Cabral, filho do ex-governador Sérgio Cabral, e Pedro Paulo Carvalho, braço direito do prefeito do Rio, Eduardo Paes, retomam o mandato e desembarcam a partir de quinta-feira em Brasília para votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff; maioria do PMDB fluminense deve apoiar o afastamento da presidente; entre os resistentes estão o ministro da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera, que reassumirá o mandato para votar contra o impeachment, e o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (Foto: Aquiles Lins)

Rio 247 - Os deputados federais licenciados pelo PMDB Marco Antonio Cabral, filho do ex-governador Sérgio Cabral, e Pedro Paulo Carvalho, braço direito do prefeito do Rio, Eduardo Paes, retomam o mandato e desembarcam a partir de quinta-feira em Brasília para votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O presidente estadual do PMDB, Jorge Picciani, já adiantou ao vice-presidente Michel Temer que a maioria da bancada apoia o impeachment e agora pressiona os demais a votarem contra Dilma.

Entre os dois peemedebistas que resistem a apoiar o afastamento da presidente é o ministro da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera, que reassumirá o mandato para votar contra o impeachment, e o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani.

A bancada federal do PMDB se reúne na manhã desta quinta e pode fechar questão em apoio ao impeachment. Seria uma saída para que Picciani argumentasse publicamente que, como líder, não poderá votar contra desejo da maioria da bancada.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247