Penitenciárias do Rio não terão mais revista íntima

O projeto segue para a sanção do governador Luiz Fernando Pezão, que tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar a proposta; para o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB, Wadih Damous, trata-se de um passo importantíssimo, que pode dar início a uma reforma do medieval e bárbaro sistema penitenciário brasileiro; a revista realizada através de equipamentos eletrônicos é mais eficaz e não põe em risco a segurança da unidade; os detentos continuarão sendo revistados antes e depois dos encontros com seus familiares e amigos  

O projeto segue para a sanção do governador Luiz Fernando Pezão, que tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar a proposta; para o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB, Wadih Damous, trata-se de um passo importantíssimo, que pode dar início a uma reforma do medieval e bárbaro sistema penitenciário brasileiro; a revista realizada através de equipamentos eletrônicos é mais eficaz e não põe em risco a segurança da unidade; os detentos continuarão sendo revistados antes e depois dos encontros com seus familiares e amigos
 
O projeto segue para a sanção do governador Luiz Fernando Pezão, que tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar a proposta; para o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB, Wadih Damous, trata-se de um passo importantíssimo, que pode dar início a uma reforma do medieval e bárbaro sistema penitenciário brasileiro; a revista realizada através de equipamentos eletrônicos é mais eficaz e não põe em risco a segurança da unidade; os detentos continuarão sendo revistados antes e depois dos encontros com seus familiares e amigos   (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jornal do Brasil - A Assembleia Legislativa aprovou nesta terça-feira (10) o projeto de lei que proíbe a revista íntima nos presídios do Rio de Janeiro. O placar da votação foi 45 votos a 2 - somente Flávio Bolsonaro e Zito, ambos do PP, votaram contra. O projeto segue para a sanção do governador Luiz Fernando Pezão, que tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar a proposta. Para o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB, Wadih Damous, trata-se de um passo importantíssimo, que pode dar início a uma reforma do medieval e bárbaro sistema penitenciário brasileiro.

"Em muitos anos, é a primeira vez que nós podemos elogiar uma medida da Alerj. Se nós temos a capacidade de criticar, temos que ter a grandeza de elogiar quando algo deve ser elogiado. Essa é uma medida que merece todos os aplausos, porque ela vai pôr fim ao cenário de humilhação e atentado à dignidade da pessoa humana que essas revistas significam", destacou Damous em conversa com o JB por telefone. Damous salientou ainda que a revista manual reflete o quanto o sistema carcerário brasileiro é medieval e bárbaro, e absolutamente contrário ao processo civilizatório. A mudança, então, foi um primeiro passo muito importante, pois pode motivar uma reforma do modelo vigente.

A proposta, dos deputados Marcelo Freixo (PSOL), Jorge Picciani (PMDB) e André Ceciliano (PT), substitui a revista manual pelo uso de equipamentos eletrônicos, como scanner corporal, detector de metais e raio-x. O procedimento atual é uma grave violação aos direitos e à dignidade humana. A maior parte das pessoas que visitam detentos nas unidades prisionais é formada por mulheres, são mães, esposas e filhas que precisam se despir, agachar e muitas vezes tem o órgão sexual manipulado. Este é um método ineficiente e humilhante que constrange principalmente a população mais vulnerável.

A revista realizada através de equipamentos eletrônicos é mais eficaz e não põe em risco a segurança da unidade. Os detentos continuarão sendo revistados antes e depois dos encontros com seus familiares e amigos.

"O Estado precisa se adequar para preservar os direitos de milhares de pessoas, principalmente mulheres, que sofrem com a revista vexatória. Esse projeto é fundamental para que que famílias invisibilizadas e sofridas sejam tratadas com dignidade", disse Freixo. "Muitos familiares desistem de visitar, o que prejudica a função do sistema penitenciário, que deveria ser o da ressocialização. A Defensoria Pública de São Paulo fez uma pesquisa mostrando que a cada 10 mil pessoas revistadas dessa forma, em menos de três foram encontradas algum objeto, nunca uma arma."

Presidente da Alerj, Jorge Picciani acredita que a aprovação reafirma o papel da Alerj como um legislativo de vanguarda, lembrando de decisões como o fim do voto secreto na Casa, aprovado dez anos antes do Congresso Nacional. "O apenado não pode ter sua pena estendida aos seus filhos, seus familiares. Não é razoável permitir que crianças e mulheres passem por revistas vexatórias. Avançamos no sentido de dar um exemplo. Espero que o estado possa, o mais rapidamente possível, colocar mecanismos em todo o sistema penitenciário para acabar com a revista vexatória", afirmou.

O deputado Flavio Bolsonaro votou contra o projeto porque acredita que a entrada de drogas e celulares será facilitada, caso o governador sancione a lei. "O sistema penitenciário hoje precisa ter mais investimentos tecnológicos antes de se aprovar um projeto como esse. Você está dando direitos para pessoas condenadas. Sequestradores, estupradores, assaltantes e assassinos. Quando a população não quer esse tipo de tratamento com o preso. Quer dignidade, não quer constrangimento, m as quer segurança. Infelizmente, com esse projeto, grandes traficantes do Rio continuarão comandando suas facções de dentro dos presídios com facilidade", argumentou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247