Petroleiros fazem manifestação por reajuste

O Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) fez uma manifestação em frente ao Centro Empresarial do Senado, um dos prédios administrativos da Petrobras, no centro do Rio; os integrantes do sindicato – vinculado à CUT e à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) – questionam a proposta de reajuste salarial apresentada à categoria de 5,73%; manifestantes dizem que a proposta da empresa não repõe nem mesmo a inflação e cobraram mais diálogo da Petrobras com os servidores

Rio de Janeiro - Funcionários da Petrobrás fazem ato de protesto em frente ao Centro Empresarial Senado, prédio da empresa na Lapa, região central da cidade (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Rio de Janeiro - Funcionários da Petrobrás fazem ato de protesto em frente ao Centro Empresarial Senado, prédio da empresa na Lapa, região central da cidade (Tânia Rêgo/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil

O Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) fez uma manifestação, na manhã desta terça-feira (16), em frente ao Centro Empresarial do Senado, um dos prédios administrativos da Petrobras, no centro do Rio. Os integrantes do sindicato – que é vinculado à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) – questionam a proposta de reajuste salarial apresentada à categoria de 5,73%.

O diretor do Sindipetro-RJ, Toni Furtado, disse que a proposta da empresa não repõe nem mesmo a inflação e cobrou mais diálogo da Petrobras com os servidores. "Por que ela não repõe, pelo menos, a inflação? Já que essa proposta não cobre sequer isso. A gente tem essa postura de lutar para que obtenhamos um ganho real, o que não está acontecendo no momento".

Ele explicou ainda que a paralisação, que já dura 15 dias, tem sido feita de forma setorial. "A gente escolhe uma das bases e realiza esse questionamento. Contamos com a força dos trabalhadores, que tem nos apoiado", disse Furtado que também pediu mais diálogo. "Gostaríamos também que houvesse um diálogo, que a Petrobras nos chamasse para discutir nossas propostas", disse.

Em nota, a empresa argumenta que agendou reuniões com os representantes dos empregados nas últimas semanas na sede da companhia e que eles não compareceram. Toni Furtado esclareceu que os sindicalistas não compareceram, por entenderam que a proposta apresentada não merecia ser discutida, já que estava muito abaixo do esperado. "Se fosse um índice aproximado, ou maior que o IPCA, aí sim sentaríamos e conversaríamos", concluiu.

O secretário de comunicação do Sindipetro-RJ, Carlos Espinheira, lamentou a forma como as negociações estão sendo conduzidas e ameaçou paralisação total na empresa."Eles mudaram a forma de negociar, o que foi ruim pra gente. Na última vez em que estivemos juntos, a postura deles foi de não apresentar nenhuma proposta nova, mas manter a antiga, que eu classifico como provocativa. (...) O que tenho certeza é que passa a imagem de que não estão preocupados. Se for assim, a situação se encaminha para uma paralisação total", ameaçou.

A nota da Petrobras informa ainda que a empresa apresentou sua proposta para o Acordo Coletivo de Trabalho 2015 no mês de setembro e está aberta para negociar com os sindicatos para um entendimento sobre o acordo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email