Pezão e Dornelles entram com recurso contra cassação no TRE

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e o vice, Francisco Dornelles foram cassados pelo plenário do tribunal no início de fevereiro, por abuso de poder econômico e político; de acordo com o TRE, o governo fluminense concedeu benefícios financeiros a empresas como contrapartida para doações posteriores à campanha dos dois, na eleição de 2014

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e o vice, Francisco Dornelles foram cassados pelo plenário do tribunal no início de fevereiro, por abuso de poder econômico e político; de acordo com o TRE, o governo fluminense concedeu benefícios financeiros a empresas como contrapartida para doações posteriores à campanha dos dois, na eleição de 2014
O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e o vice, Francisco Dornelles foram cassados pelo plenário do tribunal no início de fevereiro, por abuso de poder econômico e político; de acordo com o TRE, o governo fluminense concedeu benefícios financeiros a empresas como contrapartida para doações posteriores à campanha dos dois, na eleição de 2014 (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e o vice, Francisco Dornelles, entraram nessa quinta-feira (23) com recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) contra a cassação de seus mandatos. Os dois foram cassados pelo plenário do tribunal no início de fevereiro, por abuso de poder econômico e político. Na última segunda-feira (20), a decisão foi publicada no Diário da Justiça.

De acordo com o advogado Eduardo Damian, que defende os dois políticos, o recurso busca esclarecer possíveis contradições no processo. O TRE decidiu pela cassação por considerar que o governo fluminense concedeu benefícios financeiros a empresas como contrapartida para doações posteriores à campanha de Pezão e Dornelles, na eleição de 2014.

Ainda cabe recurso no Tribunal Superior Eleitoral. Os dois podem permanecer em seus cargos até que o caso seja julgado pela corte. Caso sejam cassados em definitivo, uma nova eleição deverá ser marcada, conforme decisão do TRE.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247