Pezão sobre juros de dívida: 'é coisa louca'

Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão criticou a cobrança dos juros da dívida do estado com a União, que, segundo ele, consumiram R$ 8,5 bilhões dos cofres do Rio apenas este ano; o chefe do executivo estadual afirmou que “nem agiota tem coragem de cobrar juros tão altos”; "O serviço da dívida é a coisa mais louca do mundo. Como pode um estado como o Rio que renegociou sua dívida em 1997 e pagou R$ 45 bilhões, ainda dever R$ 66 bilhões? É IGPDI e mais 9% de juros. Nem agiota tem coragem de cobrar isso", disse ele

30-06-2014 - Rio de Janeiro - Posse de Luiz Fernando Pezão como governador do Rio. Pezão assume no lugar de Sérgio Cabral (Tomaz Silva/Agência Brasil)
30-06-2014 - Rio de Janeiro - Posse de Luiz Fernando Pezão como governador do Rio. Pezão assume no lugar de Sérgio Cabral (Tomaz Silva/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, criticou a cobrança dos juros da dívida do estado com a União, que, segundo ele, consumiram R$ 8,5 bilhões dos cofres do Rio apenas este ano. O chefe do executivo estadual afirmou que “nem agiota tem coragem de cobrar juros tão altos”. Pezão lembrou que o estado ainda precisa de mais R$ 2 bilhões para honrar seus compromissos com fornecedores e funcionários até o final do ano. 

"O serviço da dívida é a coisa mais louca do mundo. Como pode um estado como o Rio que renegociou sua dívida em 1997 e pagou R$ 45 bilhões, ainda dever R$ 66 bilhões? É IGPDI e mais 9% de juros. Nem agiota tem coragem de cobrar isso", disse ele, durante evento com empresários de óleo e gás, na tarde desta quinta-feira (3).

Pezão disse que levou uma proposta para o governo federal para que o estado deixasse de pagar quase metade do valor da dívida, em troca de usar o dinheiro para terminar as obras do Comperj, em Itaboraí. "Poderíamos usar parte desse recurso para capitalizar o Comperj", acrescentou.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247