PF cumpre mandado de prisão em mais um desdobramento da Lava Jato no RJ

Policiais federais prenderam, nesta quinta-feira (1º) de manhã, o empresário Marco Antônio de Luca, ligado às empresas de alimentos Masan e Milano; juntas, as empresas Masan e Milano receberam mais de R$ 200 milhões do estado do Rj nos últimos 10 anos; segundo as investigações, Marco de Luca pagou pelo menos R$ 12,5 milhões em propina para a organização criminosa liderada pelo ex-governador Sérgio Cabral para ganhar esses contratos; a PF também cumpre mandados de busca e apreensão em diversos endereços; operação foi batizada de “Ratatouille” e é mais um desdobramento da operação Lava Jato no Rio de Janeiro

Policiais federais prenderam, nesta quinta-feira (1º) de manhã, o empresário Marco Antônio de Luca, ligado às empresas de alimentos Masan e Milano; juntas, as empresas Masan e Milano receberam mais de R$ 200 milhões do estado do Rj nos últimos 10 anos; segundo as investigações, Marco de Luca pagou pelo menos R$ 12,5 milhões em propina para a organização criminosa liderada pelo ex-governador Sérgio Cabral para ganhar esses contratos; a PF também cumpre mandados de busca e apreensão em diversos endereços; operação foi batizada de “Ratatouille” e é mais um desdobramento da operação Lava Jato no Rio de Janeiro
Policiais federais prenderam, nesta quinta-feira (1º) de manhã, o empresário Marco Antônio de Luca, ligado às empresas de alimentos Masan e Milano; juntas, as empresas Masan e Milano receberam mais de R$ 200 milhões do estado do Rj nos últimos 10 anos; segundo as investigações, Marco de Luca pagou pelo menos R$ 12,5 milhões em propina para a organização criminosa liderada pelo ex-governador Sérgio Cabral para ganhar esses contratos; a PF também cumpre mandados de busca e apreensão em diversos endereços; operação foi batizada de “Ratatouille” e é mais um desdobramento da operação Lava Jato no Rio de Janeiro (Foto: Giuliana Miranda)

Rio 247 - Agentes da Polícia Federal prenderam, na manhã desta quinta-feira (1°), o empresário Marco Antônio de Luca, ligado às empresas de alimentos Masan e Milano. A Masan tem vários contratos de fornecimento de comida com o estado. Juntas, as empresas Masan e Milano receberam mais de R$ 200 milhões do estado do Rj nos últimos 10 anos.

Segundo as investigações, Marco de Luca pagou pelo menos R$ 12,5 milhões em propina para a organização criminosa liderada por Cabral para ganhar esses contratos. São investigados contratos de alimentação hospitalar, escolar e de presídios. Marco Antônio será indiciado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Também são cumpridos mandados de busca e apreensão em diversos endereços. A operação foi batizada de “Ratatouille” e é mais um desdobramento da operação Lava Jato no Rio de Janeiro.

O nome "Ratatouille" remete a um prato típico da culinária francesa, em referência a um jantar em restaurante de alto padrão em Paris/França, no qual estavam presentes diversas autoridades públicas do estado do Rio de Janeiro e empresários que possuíam negócios com o Estado.

A operação é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal. Quarenta policiais federais cumpriram um mandado de prisão preventiva e 9 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal/RJ, na capital fluminense (Barra da Tijuca, Centro, Ipanema e Leblon) e nos municípios de Mangaratiba/RJ e Duque de Caxias/RJ.

As informações são de reportagem de Fernanda Rouvenat no G1.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247