Picciani a Aécio: o País está acima da ambição pessoal

Em discurso na comissão do impeachment, líder do PMDB defende que todos os cargos eleitos em 2014 são legítimos, inclusive o da presidente Dilma Rousseff, e diz que o movimento pró-impeachment provocou uma situação nefasta no país; Leonardo Picciani ainda mandou um recado a um dos líderes do golpe: "o País está acima da ambição pessoal"; o deputado liberou o voto na comissão da bancada do partido, que rompeu oficialmente com o governo

Em discurso na comissão do impeachment, líder do PMDB defende que todos os cargos eleitos em 2014 são legítimos, inclusive o da presidente Dilma Rousseff, e diz que o movimento pró-impeachment provocou uma situação nefasta no país; Leonardo Picciani ainda mandou um recado a um dos líderes do golpe: "o País está acima da ambição pessoal"; o deputado liberou o voto na comissão da bancada do partido, que rompeu oficialmente com o governo
Em discurso na comissão do impeachment, líder do PMDB defende que todos os cargos eleitos em 2014 são legítimos, inclusive o da presidente Dilma Rousseff, e diz que o movimento pró-impeachment provocou uma situação nefasta no país; Leonardo Picciani ainda mandou um recado a um dos líderes do golpe: "o País está acima da ambição pessoal"; o deputado liberou o voto na comissão da bancada do partido, que rompeu oficialmente com o governo (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 – O líder do PMDB na Câmara, deputado Leonardo Picciani (RJ), mandou um recado aos derrotados nas eleições de 2014, defendendo que todos os mandatos eleitos naquele ano são legítimos, inclusive o da presidente Dilma Rousseff, e que o movimento pelo impeachment provocou uma consequência nefasta para o País.

"Faltou, talvez por parte de quem ganhou, estender a mão às pontes e buscar um equilíbrio para o país. Faltou também a quem perdeu, inclusive ao candidato que eu votei (senador Aécio Neves), a resignação de aceitar os resultados das urnas. Que o país tem que estar acima dos projetos pessoais, da ambição de cada um", disse.

"Continuaram a incendiar o país e o cenário político, na tentativa de deslegitimar o processo eleitoral. Isso foi nefasto para o país", acrescentou o deputado, que informou que a bancada do PMDB vai se reunir nesta terça e a decisão que sair dessa reunião é a que ele irá expressar no plenário. Ele liberou a bancada a votar como quiser na comissão.

"Temos que dar um passo seguinte, que fomos incapaz de dar após as eleições de 2014. Saímos de uma eleição acirrada. A eleição não foi ilegítima, foi legítima. Todos os mandatos daquela eleição foram legítimos, seja da presidente, dos governadores, seja os nossos mandatos", afirmou ainda Picciani.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247