PM diz que pode ter matado o menino Eduardo

Um soldado lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Alemão afirmou que pode ter sido o autor do disparo matou Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos; o PM disse acreditar que, devido à posição do seu corpo e à sua localização no momento da tragédia, próximo a uma mata na localidade conhecida como Areal, na Favela Nova Brasília, foi ele quem atirou no menino; a bala que atingiu o menino ainda não foi encontrada

Um soldado lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Alemão afirmou que pode ter sido o autor do disparo matou Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos; o PM disse acreditar que, devido à posição do seu corpo e à sua localização no momento da tragédia, próximo a uma mata na localidade conhecida como Areal, na Favela Nova Brasília, foi ele quem atirou no menino; a bala que atingiu o menino ainda não foi encontrada
Um soldado lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Alemão afirmou que pode ter sido o autor do disparo matou Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos; o PM disse acreditar que, devido à posição do seu corpo e à sua localização no momento da tragédia, próximo a uma mata na localidade conhecida como Areal, na Favela Nova Brasília, foi ele quem atirou no menino; a bala que atingiu o menino ainda não foi encontrada (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - Um soldado lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Alemão afirmou que pode ter sido o autor do disparo matou Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, na tarde da última quinta-feira (4). O caso, mantido em sigilo, vem sendo acompanhado pela 8ª Delegacia de Polícia Judiciária das UPPs. O PM disse acreditar que, devido à posição do seu corpo e à sua localização no momento da tragédia, próximo a uma mata na localidade conhecida como Areal, na Favela Nova Brasília, foi ele quem atirou no menino.

A 8ª Delegacia de Polícia Judiciária das UPPs checa a conduta dos policiais que participavam de uma operação no Complexo do Alemão no momento em que a criança foi atingida. A investigação corre paralelamente ao trabalho da Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil, que apura a morte de menino. A bala que atingiu o menino ainda não foi encontrada.

Dois soldados da UPP do Alemão disseram aos responsáveis pela averiguação, que abriram fogo para revidar tiros disparados por bandidos, mas apenas um deles admite ter atingido a criança.

Segundo as investigadores da Polícia Civil, dois dos 11 PMs que prestaram depoimentos na DH apresentaram versões contraditórias sobre a operação. Caso sejam comprovadas a possíveis contradições, os policiais envolvidos no caso poderão ser indiciados por fraude processual, crime cuja pena prevista varia de três meses a dois anos de prisão.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247