Policiais se recusam a participar de reconstituição da morte de Ágatha

Os 11 policiais que estavam envolvidos direta ou indiretamente na ação que levou a morte da menina Ágatha se recusaram a participar da reconstituição realizada hoje no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Polícia Civil realizou a reconstituição da morte de Ágatha Félix, de 8 anos, nesta terça-feira (1º/10) no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro. Os 11 policiais que estavam próximos ao local, envolvidos direta ou indiretamente ao caso, se recusaram a participar, por orientação da defesa.

Apesar de serem agentes públicos, a Polícia Civil afirmar que as testemunhas podem optar por participar ou não do procedimento, pois elas não são obrigadas a produzir provas contra si mesmas.

O objetivo da reconstituição é revelar as circunstâncias que levaram a morte da menina. Na versão dos policiais, havia troca de tiros no momento da morte de Ágatha, que aconteceu no último dia 20 de setembro. Outras testemunhas, incluindo a mãe da menina que participou da reconstituição, informaram que não havia confronto com policiais.

“Nós esperamos chegar à conclusão sobre quem efetuou o disparo que matou a menina Ágatha. Nós queremos confrontar as versões apresentadas em sede policial com o que nós podemos presenciar aqui no local. A ideia é saber se houve confronto ou não”, disse o diretor do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP), delegado Antônio Ricardo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247