Procurador que chamou salário de R$ 24 mil de 'miserê' recebeu em média R$ 60 mil líquidos por mês

Levantamento feito no Portal da Transparência mostra que Leonardo Azeredo, o procurador de Minas Gerais que chamou de “miserê” salário de R$ 24 mil e estava com medo de "virar pedinte", recebeu, em média, R$ 60 mil líquidos por mês em 2019

Fachada do MP de MG
Fachada do MP de MG

247 - Levantamento feito no Portal da Transparência mostra que Leonardo Azeredo, o procurador de Minas Gerais que chamou de “miserê” salário de R$ 24 mil e estava com medo de "virar pedinte", recebeu, em média, R$ 60 mil líquidos por mês em 2019. "O valor soma salário, indenizações e outras remunerações", informa o G1.

"Junho foi o mês em que o procurador recebeu maior vencimento, de R$ 50.104,64. Somaram-se a este valor R$ 28.513 de indenizações e outras remunerações. O valor final recebido foi de R$ 78.617,66", conta a reportagem.

Em áudio que viralizou nesta segunda (9), Azeredo explica o motivo de sua angústia com os R$ 24 mil mensais. “Infelizmente, não tenho origem humilde. Não sou acostumado com tanta limitação”, diz. “Todo mundo já verificou que é um salário relativamente baixo. Sobretudo para quem tem mulher e filho (…) Não sei se vou receber a mais, se vai ter algum cálculo dos atrasados que vai me salvar, salvar a minha pele.”

Ele completa: “estou fazendo a minha parte. Estou deixando de gastar R$ 20 mil de cartão de crédito e estou passando a gastar R$ 8 (mil), para poder viver com os meus R$ 24 mil. Agora, eu e vários outros, já estamos vivendo à base de comprimidos, à base de antidepressivo. Estou falando desse jeito aqui com dois comprimidos sertralina por dia, tomo dois ansiolíticos por dia e ainda estou falando desse jeito. Imagine se eu não tomasse? Ia ser pior que o Ronaldinho. Vamos ficar desse jeito? Nós vamos baixar mais a crista? Nós vamos virar pedinte, quase?”, disse o procurador.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247