PUC-RJ obedece a alunos de direita e cancela debate sobre drogas

A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) receberia no dia 3 de maio um debate sobre guerra às drogas com participação de pessoas a favor da descriminalização da maconha, como o vereador Renato Cinco (Psol). O evento foi cancelado após pressão de um grupo de alunos que se declara “católico de extrema direita”.

A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) receberia no dia 3 de maio um debate sobre guerra às drogas com participação de pessoas a favor da descriminalização da maconha, como o vereador Renato Cinco (Psol). O evento foi cancelado após pressão de um grupo de alunos que se declara “católico de extrema direita”.
A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) receberia no dia 3 de maio um debate sobre guerra às drogas com participação de pessoas a favor da descriminalização da maconha, como o vereador Renato Cinco (Psol). O evento foi cancelado após pressão de um grupo de alunos que se declara “católico de extrema direita”. (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) receberia no dia 3 de maio um debate sobre guerra às drogas com participação de pessoas a favor da descriminalização da maconha, como o vereador Renato Cinco (Psol). O evento foi cancelado após pressão de um grupo de alunos que se declara “católico de extrema direita”.

O debate sobre a descriminalização de drogas aumentou, com a medida tomada pelo governo do Uruguai.  Quatro anos depois de aprovar a legalização da maconha, em 2014, o país vizinho reduziu em 18% de crimes relacionados ao narcotráfico e o fim das filas nas farmácias, que sofreram com a falta de abastecimento durante o começo da implementação do sistema, em julho.

Além da venda em farmácias, a lei prevê mais duas formas de acesso à erva atualmente: cultivo individual de até seis plantas e clubes de cultivo (que podem ter de 15 a 45 membros). Os usuários devem ser registrados, ter mais de 18 anos e possuir nacionalidade uruguaia ou residência permanente no país. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247