Quem vai repor a honra a Lindbergh Farias?

"Não têm nada e não tinham nada. Ainda assim, expuseram uma figura pública, que depende de sua imagem, a um ano e meio de execração. O Dr. Janot e o Ministro Teori Zavascki, os procuradores de Curitiba e o Dr. Moro, que mandou gravar e divulgou telefonemas entre o senador, vão pedir desculpas?", questiona Fernando Brito, editor do Tijolaço

Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) concede entrevista.
Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) concede entrevista. (Foto: Leonardo Attuch)

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

A coluna de Lauro Jardim, no Globo,  em nota assinada por Guilherme Amado, diz que a Polícia Federal “sugeriu” o fim do inquérito aberto contra o senador Lindberg Farias por falta de ” indícios mínimos para prosseguir com a investigação ou pedir o indiciamento do petista”

O inquérito, aberto março em 2015, ouviu os principais executivos das construtoras do petrolão que doaram em campanha para Lindbergh Farias: Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa, Engevix, Carioca, UTC, Iesa Óleo e Gás e Setal Engenharia. Concluiu o delegado, no relatório:

— Nenhum dos executivos, inclusive na condição de colaboradores, foi capaz de corroborar a narrativa que ensejou a instauração do presente inquérito, ou ao menos de que as contribuições tivessem origem ilícita.

Ou seja, não têm nada e não tinham nada.

Ainda assim, expuseram uma figura pública, que depende de sua imagem, a um ano e meio de execração.

É conhecido o sermão de que a quem detratou  a outro se impõe uma penitência simples: espalhar penas ao vento. E outra, a seguir, impossível: reuni-las todas.

O Dr. Janot e o Ministro Teori Zavascki, os procuradores de Curitiba e o Dr. Moro, que mandou gravar e divulgou telefonemas entre o senador, vão pedir desculpas?

Não tinham provas, só tinham a convicção…

Conheça a TV 247

Mais de Sudeste

Ao vivo na TV 247 Youtube 247