Rio pressiona União por mais royalties do petróleo

Senadores do Estado ganham apoio para evitar perdas de receitas



Os senadores do Rio vão esticar a corda ao máximo a fim de obrigar o governo a ceder ainda mais na divisão dos royalties de petróleo. Com o apoio da oposição, a bancada fluminense conseguiu manter a pauta do Senado trancada por medidas provisórias, dificultando a votação, na próxima terça-feira, do projeto do senador Wellington Dias (PT-PI), que impõe perdas de receita ao Rio. Se a pauta não for liberada, a proposta não irá à votação, abrindo caminho para a análise do veto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Emenda Ibsen, programada para o próximo dia 5.

A tática, orquestrada em conjunto com os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Francisco Dornelles (PP-RJ), prevê que os senadores Cyro Miranda (PSDB-GO) e Lúcia Vânia (PSDB-GO) adiem a entrega de seus relatórios, mantendo a pauta bloqueada pelas MPs. Lúcia Vânia é relatora da MP 536, que aumenta o valor da bolsa paga aos médicos residentes. Miranda é relator da MP 537, que liberou crédito extraordinário no valor de R$ 500 milhões aos Ministérios da Defesa e Integração Nacional, a fim de socorrer as vítimas de fortes chuvas e inundações.

Relator da última MP a trancar a pauta, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) já entregou o seu relatório. A estratégia permitiu que os Estados produtores ganhassem mais uma semana de negociações. “Não concordo que tirem receita do Rio, mas acho que o excedente deve ser redistribuído”, disse Miranda.

A aproximação da data de apreciação do veto acirrou os ânimos dos fluminenses. Na Câmara, a bancada se dividiu e confrontou o deputado Edson Santos (PT-RJ), que adotou uma postura de conciliação. “É uma negociação paralela, ele não tem o apoio da bancada”, criticou o vice-líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ). “Ou é posição da bancada ou é pessoal”, disse o coordenador da bancada, deputado Hugo Leal (PSC-RJ).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Santos promoveu uma reunião - da qual participaram os deputados Brizola Neto (PDT-RJ) e Otávio Leite (PSDB-RJ) - para apresentar a proposta de Wellington Dias aos colegas. “A bancada não pode se fechar em copas”, criticou Santos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas a avaliação dos deputados é que, se houver uma solução para o impasse, ela ocorrerá no Senado, onde a oposição tem mais força e se alinhará ao Rio na pressão ao governo. Se não houver acordo até terça-feira, o projeto de Wellington Dias entra na pauta. Nessa hipótese, Lindbergh acredita que mais senadores vão aderir à tese do Rio de que não são os Estados produtores que têm de pagar a conta do pré-sal, mas, sim, a União.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email