RJ: Cláudio Castro vai à Justiça contra delatores que o acusaram de receber propina

Segundo os advogados de Cláudio Castro, os delatores não apresentaram nenhuma prova das acusações e, por isso, teriam cometido crimes contra a honra do governador

Cláudio Castro
Cláudio Castro (Foto: Carlos Magno)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A defesa do governador do Rio de Janeiro em exercício, Cláudio Castro (PSC), protocolou ações na Justiça por calúnia, injúria e difamação contra os delatores Edmar Santos (ex-secretário de Saúde) e Bruno Selem (empresário), que o acusaram Castro do recebimento de propina em esquema parecido que levou ao afastamento do governador afastado, Wilson Witzel.

Segundo os advogados, os delatores não apresentaram nenhuma prova das acusações e, por isso, teriam cometido crimes contra a honra do governador Castro.

"No referido termo de declarações, o querelado (Edmar Santos) faz diversas acusações de envolvimento do querelante (Cláudio Castro) no esquema criminoso relatado, sem, porém, trazer qualquer tipo de elemento que possa vir a corroborar suas alegações, tratando-se a narrativa, quando muito, de 'ouvir dizer' sobre o suposto envolvimento", escreveu o advogado.

"Ao analisar os autos da referida colaboração, bem como os documentos que foram apresentados pelo querelado (Bruno Selem) no sentido de corroborar a narrativa apresentada, verifica-se que não há qualquer elemento que chancele as acusações feitas em face do querelante (Cláudio Castro), baseando-se as acusações em afirmativas que, supostamente, teriam sido feitas ao querelado por terceiro, bem como em conjecturas criadas pelo próprio querelado".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247