RJ terá grupo especial para combater tráfico de armas

O tráfico de armas no Rio de Janeiro será combatido por um núcleo de inteligência integrado por aproximadamente 30 homens das polícias civil, militar e federal; a iniciativa será aplicada a partir do próximo dia 23; "Nós não podemos esperar o resultado do rastreamento dessas armas para estabelecer rotas para, a partir daí, começarmos a trabalhar. Muitas vezes, o fabricante internacional não tem interesse em fornecer dados sobre os compradores, já que produz e vende armas conforme a legislação do país de origem", disse o secretário de Segurança José Mariano Beltrame

O tráfico de armas no Rio de Janeiro será combatido por um núcleo de inteligência integrado por aproximadamente 30 homens das polícias civil, militar e federal; a iniciativa será aplicada a partir do próximo dia 23; "Nós não podemos esperar o resultado do rastreamento dessas armas para estabelecer rotas para, a partir daí, começarmos a trabalhar. Muitas vezes, o fabricante internacional não tem interesse em fornecer dados sobre os compradores, já que produz e vende armas conforme a legislação do país de origem", disse o secretário de Segurança José Mariano Beltrame
O tráfico de armas no Rio de Janeiro será combatido por um núcleo de inteligência integrado por aproximadamente 30 homens das polícias civil, militar e federal; a iniciativa será aplicada a partir do próximo dia 23; "Nós não podemos esperar o resultado do rastreamento dessas armas para estabelecer rotas para, a partir daí, começarmos a trabalhar. Muitas vezes, o fabricante internacional não tem interesse em fornecer dados sobre os compradores, já que produz e vende armas conforme a legislação do país de origem", disse o secretário de Segurança José Mariano Beltrame (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil

O tráfico de armas no Rio de Janeiro será combatido por um núcleo de inteligência integrado por aproximadamente 30 homens das polícias civil, militar e federal. A iniciativa, que tem por objetivo ampliar a atuação no combate aos crimes transnacionais, foi aprovada pelo Ministério da Justiça e será aplicada a partir do próximo dia 23.

O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio (Seseg), José Mariano Beltrame caracterizou hoje (10), o núcleo de Minimissão Suporte e destacou que o grupo vai investigar grandes casos, desde a entrada de armas e outros equipamentos às drogas que vêm de outros estados.

"Nós não podemos esperar o resultado do rastreamento dessas armas para estabelecer rotas para, a partir daí, começarmos a trabalhar. Muitas vezes, o fabricante internacional não tem interesse em fornecer dados sobre os compradores, já que produz e vende armas conforme a legislação do país de origem, disse.

Beltrame observou que como não podemos estar a mercê daquilo que o fabricante entende, temos que fazer um trabalho dedicado. As investigações não irão parar, e vão continuar com este grupo de policiais que vai trabalhar especificamente em ações transacionais num sistema de rodizio, para que o volume das informações chegue na Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança, a fim de que os impactos sejam menores junto à população, otimizando os resultados.

De acordo com a Seseg, houve um aumento no volume de armas de grande porte apreendidas no início deste ano: 89 fuzis – o dobro se comparado ao mesmo período do ano passado. A maior parte do armamento foi fabricada, há pouco tempo, em países como Áustria e Ucrânia.

Segundo a Sesg, os agentes da Minimissão Suporte passaram por avaliação da Subsecretaria de Inteligência. O efetivo será integrado à Força Nacional e passará por treinamento na Academia Nacional de Polícia, em Brasília, na próxima semana. Os policiais poderão agir em todo o Brasil, conforme a Sesg.

O mestre em antropologia pela Universidade Federal Fluminense e ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Paulo Storani, disse hoje, em entrevista à Agência Brasil que um dos grandes problemas é a entrada de drogas que constitui um dos grandes insumos da criminalidade nas cidades, além do aumento do número de armas.

"A iniciativa é bem-vinda e demonstra pró-atividade com o secretário Beltrame oferecendo policiais que conhecem os problemas e são especialistas no assunto, provocando uma resposta do governo federal, que tem sua responsabilidade na questão da segurança pública", concluiu.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247