Rogério Correia protocola representação contra Bolsonaro na PGR por charlatanismo e improbidade

Correia aponta como justifica da investigação o cancelamento da compra da vacina chinesa Coronavac, que havia sido anunciada pelo ministro Eduardo Pazuello, e a propaganda de medicamentos sem eficácia comprovada para combater a covid, como o vermífugo nitazoxanida

Rogério Correia (PT-MG) / Jair Bolsonaro (sem partido).
Rogério Correia (PT-MG) / Jair Bolsonaro (sem partido). (Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) protocolou nesta quinta-feira (22) representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo investigação de Jair Bolsonaro por charlatanismo e improbidade administrativa.

Correia aponta como justifica da investigação o cancelamento da compra da vacina chinesa Coronavac, que havia sido anunciada pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e a propaganda de medicamentos sem eficácia comprovada para combater a covid, como o vermífugo nitazoxanida e a cloroquina.

“Bolsonaro está priorizando questões políticas em relação à saúde e bem-estar da população”, afirmou Rogério Correia. “Não há dúvidas de que cabe investigação também por ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública”, acrescentou. 

Se levada adiante, e em última extensão, a investigação da PGR pode resultar em pedido de impeachment. “Cabe agora pressionarmos, pois a Procuradoria-Geral está novamente se transformando em engavetadora e arquivadora de papéis, como era bastante comum antes do governo Lula”, afirma Rogério Correia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247