Sem acordo, professores mantêm greve

Categoria está parada desde o dia 8 de agosto e quer reajuste de 28% nos salários; sem chegar a consenso com a secretaria de Educação do Governo Cabral, professores farão novos protestos nos próximos dias; "única coisa que o governo colocou na mesa foi o seguinte: 'vocês saem da greve que eu abono as faltas'”, disse presidente do sindicato

RIO DE JANEIRO, RJ - 19.08.2013: PROTESTO/PROFESSORES/RJ - Professores durante protesto na esquina da rua onde fica a casa do governador Sérgio Cabral, no Leblon, na zona sul do Rio, nesta segunda-feira (19). A avenida Delfim Moreira foi interditada pelo
RIO DE JANEIRO, RJ - 19.08.2013: PROTESTO/PROFESSORES/RJ - Professores durante protesto na esquina da rua onde fica a casa do governador Sérgio Cabral, no Leblon, na zona sul do Rio, nesta segunda-feira (19). A avenida Delfim Moreira foi interditada pelo (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Terminou sem acordo a reunião entre representantes do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) e o secretário de Educação do estado, Wilson Risolia, e a categoria decidiu manter a greve, que começou no dia 8 deste mês. A tentativa de acordo era em torno de 28% de reposição salarial para os professores. Após a reunião com o secretário, os professores fizeram manifestação na esquina da Avenida Delfim Moreira com a rua Aristides Espinola, no Leblon, em área próxima à do apartamento do governador Sérgio Cabral.

No encontro com Risolia, os professores pediram também a suspensão do corte do ponto e a revisão do veto do governador ao projeto aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que garante ao professor o direito de dar aula em somente uma escola.

Segundo a Secretaria de Educação, a paralisação não seguiu os ritos formais e, por isso, estão sendo dadas faltas e os dias parados serão descontados. Para mudar essa decisão, a secretaria pediu que os 0,5% dos professores que pararam voltem a trabalhar. Wilson Risolia disse que o assunto é importante para a secretaria e que, nos novos concursos para professores, as vagas já são para 30 horas semanais, e não mais 16 horas por semana, para compensar o impedimento dos professores terem matrícula em mais de uma escola.

Quanto ao reajuste salarial, a secretaria lembrou que foi concedido este ano aos professores aumento de 8%, acima da inflação e do reajuste do piso nacional da categoria. De acordo com a secretaria, foram concedidos ainda benefícios como os auxílios alimentação, transporte e qualificação. Para professores em início de carreira [menos de três anos de rede estadual], o impacto do reajuste mais auxílio-alimentação foi de 25,28% (em 2013), informou a secretaria.

O coordenador do Sepe, Alex Trentino, disse, porém, que o aumento de 8% dado pela Secretaria Estadual de Educação não satisfaz aos profissionais da educação, porque o reajuste deve ser feito no piso salarial, e não nos benefícios. “Foi abordada na reunião a questão do abono, que foi votado na Alerj, e nós ganhamos. Saiu o abono, mas não houve a devolução do dinheiro, então vamos esperar até sexta-feira, e também os 8% de reajuste para os animadores culturais, que não saiu em junho, quando toda a categoria recebeu."

Segundo Trentino, para os professores, não houve avanço, que seria o reconhecimento da greve. Quando à questão da matrícula em apenas uma escola, o sindicalista destacou que os professores ganharam na Alerj, mas o governo vetou e não quer reconhecer isso. "A única coisa que ele [governo] colocou na mesa foi o seguinte: 'vocês saem da greve que eu abono as faltas'”, acrescentou Trentino.

Quarta-feira (21) de manhã, o Sepe fará nova assembleia com os profissionais da educação no Clube Municipal, na Tijuca. Para a tarde de sexta-feira (23), está prevista outra rodada de negociações com Luiz Carlos Becker, subsecretário de Gestão de Pessoas da Secretaria Estadual de Educação.

Edição: Nádia Franco

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email