Sob vaias, Cabral deixa PF rumo ao IML

Ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho foi vaiado ao deixar nesta tarde a sede da Polícia Federal rumo ao IML, para fazer exames de corpo de delito; preso no início da manhã por suspeita de receber milhões em propina de empreiteiras, Cabaral é alvo da operação Calicute, da Polícia Federal e Ministério Público Federal que apura desvios em obras do governo estadual. O prejuízo é estimado em mais de R$ 220 milhões; procurador Lauro Coelho Junior disse que a propina exigida pelo ex-governador era de 5% por obra, mais 1% da chamada "taxa de oxigênio", que ia para a secretaria de Obras do governo, então comandada por Hudson Braga

Ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho foi vaiado ao deixar nesta tarde a sede da Polícia Federal rumo ao IML, para fazer exames de corpo de delito; preso no início da manhã por suspeita de receber milhões em propina de empreiteiras, Cabaral é alvo da operação Calicute, da Polícia Federal e Ministério Público Federal que apura desvios em obras do governo estadual. O prejuízo é estimado em mais de R$ 220 milhões; procurador Lauro Coelho Junior disse que a propina exigida pelo ex-governador era de 5% por obra, mais 1% da chamada "taxa de oxigênio", que ia para a secretaria de Obras do governo, então comandada por Hudson Braga
Ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho foi vaiado ao deixar nesta tarde a sede da Polícia Federal rumo ao IML, para fazer exames de corpo de delito; preso no início da manhã por suspeita de receber milhões em propina de empreiteiras, Cabaral é alvo da operação Calicute, da Polícia Federal e Ministério Público Federal que apura desvios em obras do governo estadual. O prejuízo é estimado em mais de R$ 220 milhões; procurador Lauro Coelho Junior disse que a propina exigida pelo ex-governador era de 5% por obra, mais 1% da chamada "taxa de oxigênio", que ia para a secretaria de Obras do governo, então comandada por Hudson Braga (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho foi vaiado ao deixar nesta tarde a sede da Polícia Federal rumo ao IML, para fazer exames de corpo de delito.

Preso no início da manhã por suspeita de receber milhões em propina de empreiteiras, Cabaral é alvo da operação Calicute, da Polícia Federal e Ministério Público Federal que apura desvios em obras do governo estadual. O prejuízo é estimado em mais de R$ 220 milhões. Outras nove pessoas também foram presas.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Cabral chefiava a organização criminosa e chegou a receber R$ 2,7 milhões em espécie da empreiteira Andrade Gutierrez, por contrato em obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O esquema também envolvia lavagem de dinheiro por meio de contratos falsos com consultorias e por meio da compra de bens de luxo.

O procurador Lauro Coelho Junior disse que a propina exigida pelo ex-governador era de 5% por obra, mais 1% da chamada "taxa de oxigênio", que ia para a secretaria de Obras do governo, então comandada por Hudson Braga, que também foi prso. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247