TJ de SP revoga prisão domiciliar e Abdelmassih voltará para a cadeia no interior de SP

Roger Abdelmassih, de 76 anos, estava cumprindo pena em sua casa por pertencer ao grupo de risco da Covid-19. A prisão domiciliar do ex-médico foi revogada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e ele voltará para a cadeia, na Penitenciária de Tremembé, no interior do estado de São Paulo

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o ex-médico Roger Abdelmassih deixe a Penitenciária de Tremembé, no interior paulista, e volte a cumprir pena em prisão domiciliar; Roger Abdelmassih foi condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros de 37 de suas pacientes; expectativa é que, devido ao plantão judiciário no final de semana, ele deixe a penitenciária na segunda-feira (2)
O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o ex-médico Roger Abdelmassih deixe a Penitenciária de Tremembé, no interior paulista, e volte a cumprir pena em prisão domiciliar; Roger Abdelmassih foi condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros de 37 de suas pacientes; expectativa é que, devido ao plantão judiciário no final de semana, ele deixe a penitenciária na segunda-feira (2) (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-médico Roger Abdelmassih, de 76 anos, teve sua prisão domiciliar por ser considerado integrante do grupo de risco da Covid-19 revogada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e voltará para a cadeia. A informação é do jornal O Globo. 

Abdelmassih estava em sua residência desde 19 de abril e terá que voltar para a Penitenciária de Tremembé, no interior do estado de São Paulo, onde cumpria pena de 173 anos de prisão em regime fechado, acusado de 56 estupros de pacientes em sua clínica.

Os desembargadores que integram a 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça interpretaram que "a pandemia causada pelo vírus Covid-19 não autoriza, por si só, a antecipação da progressão no regime prisional". O TJ atendeu a um recurso do Ministério Público (MP). 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247