TJ: Defensoria pede soltura de 300 presos perigosos

O juiz titular da Vara de Execuções Penais (VEP) do Tribunal de Justiça do Rio, Eduardo Oberg, apresentou uma lista com 300 nomes de detentos considerados perigosos e que a Defensoria Pública pediu a liberdade e regressão de pena; de acordo com levantamento da equipe da VEP, na lista estão 90 presos de altíssima periculosidade

Rio de Janeiro - O juiz da Vara de Execuções Penais, Eduardo Oberg, fala da transferência dos policiais militares presos no Batalhão Especial Prisional (BEP) para a penitenciária, em Niterói (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Rio de Janeiro - O juiz da Vara de Execuções Penais, Eduardo Oberg, fala da transferência dos policiais militares presos no Batalhão Especial Prisional (BEP) para a penitenciária, em Niterói (Tomaz Silva/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - O juiz titular da Vara de Execuções Penais (VEP) do Tribunal de Justiça do Rio, Eduardo Oberg, apresentou nesta sexta-feira(11) uma lista com 300 nomes de detentos considerados perigosos e que a Defensoria Pública pediu a liberdade e regressão de pena. De acordo com levantamento da equipe da VEP, na lista estão 90 presos de altíssima periculosidade.

Entre os 300 presos perigosos, há pedidos de habeas corpus para criminosos que estão foragidos há pelo menos seis anos, segundo o magistrado. Os presos mais perigosos estão concentrados em Bangu 3. 

Oberg informou que vai analisar todos os pedidos e pediu para aumentar o prazo de análise, que normalmente é feito em 10 dias. Os pedidos serão analisados por 40 desembargadores das oito Câmaras do tribunal. "Confio nos desembargadores do meu Tribunal. Vamos cumprir os prazos que me deram. Vamos dar o benefício a quem tem direito", afirmou o juiz, em coletiva de imprensa.

O magistrado criticou os pedidos da Defensoria. "Não posso conceder o benefício de supetão. Tenho que analisar com cuidado. Tenho que verificar a unidade [presídio], ver quem é o preso e consultar o Ministério Público. Benefício tem que ser ouvido o Ministério Público", acrescentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email