Três dias depois do assassinato de Ágatha, Witzel ainda retira bônus para redução de mortes na polícia do Rio

Três dias depois de a polícia do Rio assassinar a menina Ágatha com um tiro de fuzil pelas costas, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), retirou a bonificação de incentivo à redução de mortes provocadas por policiais. Sob Witzel, a polícia fluminense bate recordes de letalidade

Pronunciamento do governador Wilson Witzel e secretários de Estado, no Palácio Guanabara, sobre a morte da menina Ágatha Félix durante ação da Polícia Militar no complexo de favelas do Alemão.
Pronunciamento do governador Wilson Witzel e secretários de Estado, no Palácio Guanabara, sobre a morte da menina Ágatha Félix durante ação da Polícia Militar no complexo de favelas do Alemão. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Três dias depois de a polícia do Rio assassinar a menina Ágatha com um tiro de fuzil pelas costas, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), retirou a bonificação de incentivo à redução de mortes provocadas por policiais. Sob Witzel, a polícia fluminense bate recordes de letalidade. 

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que "o decreto altera o Sistema Integrado de Metas, criado em 2009, que prevê bônus a policiais caso consigam reduzir uma série de indicadores de criminalidade. Entre as categorias para calcular as gratificações, está a letalidade violenta. Outra mudança imposta pelo decreto foi a incluir roubo de cargas como um dos crimes que determinam a distribuição de bônus. Além dele, existem outros cinco critérios para definir a premiação aos policiais: redução de homicídios dolosos, latrocínios (roubo seguido de morte), lesões corporais dolosas seguidas de morte, roubos de veículos e roubos de rua (nas modalidades a transeuntes, em coletivos e de celulares)."

A matéria ainda acrescenta que "a mudança ocorre em meio a um expressivo aumento de mortes durante confrontos entre policiais e supostos criminosos. Em 2019, até agosto, 1.249 pessoas foram mortas pela polícia nessa situação - média de 5,1 por dia. No mesmo período de 2018, foram 1.075 - neste ano a alta é de 16,1%. Em julho, 194 pessoas foram mortas pela polícia - média de 6,25 mortos por dia. Esse número foi o recorde na história dessa estatística, que começou a ser contabilizada em 1998."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email