UFRJ lança programa pioneiro de pós-incubação

O Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inaugurou um programa pioneiro de pós-incubação que atende empresas recém-saídas de incubadoras de todo o país, independente de sua origem e do lugar onde estejam instaladas; as empresas interessadas têm até novembro de 2016 para se candidatar; as inscrições para o edital podem ser feitas no endereço www.parque.ufrj.br

O Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inaugurou um programa pioneiro de pós-incubação que atende empresas recém-saídas de incubadoras de todo o país, independente de sua origem e do lugar onde estejam instaladas; as empresas interessadas têm até novembro de 2016 para se candidatar; as inscrições para o edital podem ser feitas no endereço www.parque.ufrj.br
O Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inaugurou um programa pioneiro de pós-incubação que atende empresas recém-saídas de incubadoras de todo o país, independente de sua origem e do lugar onde estejam instaladas; as empresas interessadas têm até novembro de 2016 para se candidatar; as inscrições para o edital podem ser feitas no endereço www.parque.ufrj.br (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

O Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inaugurou um programa pioneiro de pós-incubação que atende empresas recém-saídas de incubadoras de todo o país, independente de sua origem e do lugar onde estejam instaladas.

As empresas interessadas têm até novembro de 2016 para se candidatar. O diretor do parque, José Carlos Pinto, sugeriu que as informações exigidas na fase documental sejam enviadas o quanto antes, porque a aprovação depende de disponibilidade de vaga no local. As inscrições para o edital podem ser feitas no endereço www.parque.ufrj.br.

Ultrapassada essa primeira fase, as propostas serão analisadas, envolvendo planos de trabalho e de negócios, história na incubadora de origem, dados sobre a equipe e o tipo de interação que as empresas pretendem ter com a universidade. Elas devem apresentar boas condições de crescimento e de captação de recursos.

Segundo José Carlos, que é professor do Programa de Engenharia Química do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da UFRJ, o edital propõe um tratamento privilegiado para empresas incubadas no ambiente do parque tecnológico.

As companhias pagam pela ocupação do espaço. O valor depende do tamanho da empresa e espaço que precisará ocupar. A principal vantagem é que elas recebem um pacote de serviços nas áreas de assessoria jurídica, assessoria de relacionamento, de network (rede de relacionamentos), de apoio ao desenvolvimento econômico. À medida em que crescem, as vantagens são removidas, aos poucos.

Quando termina a fase de incubação, geralmente depois de cinco anos, as empresas têm um limite de tempo relativamente curto para se estabelecer no mercado. Muitas ainda necessitam da proximidade dos laboratórios e da universidade. “Esse é o espírito do edital: apostar, não em uma ideia, mas em uma empresa que teve um bom desenvolvimento em uma incubadora no Brasil”.

No momento, quatro empresas recém-saídas de incubadoras já foram aprovadas na fase documental e estão sendo avaliadas na etapa final de propostas.

Não há limitação para nenhum setor, segundo o diretor. “A gente entende que a missão é promover a integração das empresas de base tecnológica com os departamentos, com a pesquisa e as iniciativas da UFRJ. Como a universidade tem um leque de interesses amplo, as empresas são bem-vindas, desde que possam interagir com a universidade e com o ambiente econômico e de negócios que circunda o parque.”

De acordo com José Carlos, se a empresa é bem-sucedida, pode se estabelecer de maneira definitiva no parque, mas já fora do âmbito do programa de pós-incubação. Para as empresas que se estabelecem no parque, não há limite de tempo para pemanecer, desde que desenvolvam projetos com a universidade. “Nossa aposta é que as empresas possam ficar de maneira mais perene no parque”.

Inaugurado em 2003, o Parque Tecnológico da UFRJ pretende ampliar a colaboração interna das empresas com a universidade. Atualmente, há 47 empresas instaladas, sendo 13 de grande porte, cinco pequenas e médias empresas (PMEs) e 29 'startups' (empresas jovens inovadoras), além de seis laboratórios.

Dois centros de pesquisas estão sendo construídos no local pelas companhias L'Oreal e Ambev.   Para o diretor do parque, é importante incentivar a instalação de empresas que possam desenvolver trabalhos nas áreas de biotecnologia e biomedicina, para promover colaboração com o Centro de Ciências da Saúde da UFRJ.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247