'Uma vergonha', diz Boulos após juiz mandar assassino de Marcelo Arruda para a prisão domiciliar

'Matar uma pessoa por ódio político não é motivo de cadeia no Brasil...', ironizou, em tom de crítica, o líder do MTST e candidato a deputado federal

www.brasil247.com - Guilherme Boulos, Jorge Guaranho e Marcelo Arruda
Guilherme Boulos, Jorge Guaranho e Marcelo Arruda (Foto: Editora 247 - Reprodução (Redes Sociais))


247 - Candidato a deputada federal e líder nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos (PSOL-SP), criticou nesta quinta-feira (11) a decisão do juiz Gustavo Germano Francisco Arguello, que nessa quarta-feira (10), determinou a ida do policial bolsonarista Jorge Guaranho para casa, com o uso de tornozeleira eletrônica. No começo de julho, ele matou o tesoureiro do PT Marcelo Arruda, em Foz do Iguaçu (PR), por diferenças políticas.

"Vergonha! Juiz manda bolsonarista que assassinou Marcelo Arruda para prisão domiciliar. Matar uma pessoa em sua festa de aniversário, diante dos seus filhos e por ódio político não é motivo de cadeia no Brasil...", disse Boulos no Twitter. 

Aos gritos de "aqui é Bolsonaro", Guaranho invadiu o local onde Arruda comemorava o próprio aniversário, em 9 de julho, e atirou contra o militante do PT. 

O Judiciário paranaense busca uma vaga em um presídio federal para o assassino de Marcelo Arruda. De acordo com a Justiça, também existe a possibilidade de Guaranho ficar detido em outro estado. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email