Valente critica Moro: destruir provas é confissão de culpa

"A OAB tem razão: 'Moro age como chefe de quadrilha'. A ideia de que seria um superministro lhe subiu à cabeça. Não, Moro. Ainda existe lei no país. Destruir provas é confissão de culpa", afirmou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP)

(Foto: Luis Macedo - Agência Câmara)

247 - O deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) bate duro no ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e reforçou a crítica do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, para quem o ex-juiz age como "chefe de quadirlha".

"A OAB tem razão: 'Moro age como chefe de quadrilha'. A ideia de que seria um superministro lhe subiu à cabeça. Não, Moro. Ainda existe lei no país. Destruir provas é confissão de culpa", escreveu o parlamentar no Twitter.

Segundo a coluna da jornalista Mônica Bergamo, Santa Cruz afirmou que Moro "usa o cargo, aniquila a independência da Polícia Federal e ainda banca o chefe de quadrilha ao dizer que sabe das conversas de autoridades que não são investigadas".

Moro vem sendo atingido em cheio pelas revelações do site Intercept Brasil que apontam violação do sistema acusatório por ele quando era juiz da Operação Lava Jato. Moro sugeriu, por exemplo, acréscimo de informações na produção de provas contra um investigado, questionou a capacidade de uma procuradora de interrogar o ex-presidente Lula e negociou acordos de delação premiada.

O ex-juiz feriu a equidistância entre quem julga e quem acusa ao interferir no trabalho de procuradores. 

De acordo com o presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, Moro informou que vai descartar mensagens apreendidas com suspeitos presos na terça-feira (23/7) pela Polícia Federal. Eles são acusados de invadir celulares de autoridades, entre elas o próprio Moro, que se declara vítima nesse caso.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247