Valente: 'se o STF não reconhecer a parcialidade de Moro, deixará a democracia asfixiada'

Deputado Ivan Valente (PSOL-SP) afirmou que, se o Supremo validar o acesso da defesa de Lula a mensagens trocadas entre Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato, "pode ser o reconhecimento" das condutas ilegais do ex-juiz. "Sem isso, o país deixará a democracia asfixiada", disse

Ivan Valente e Sérgio Moro
Ivan Valente e Sérgio Moro (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) cobrou do Supremo Tribunal Federal a definição de um posicionamento, para reconhecer que Sérgio Moro atuava com parcialidade no julgamento dos processos da Operação Lava Jato em primeira instância. 

"A 2ª Turma do STF começa a julgar hoje a decisão de Lewandowski de dar acesso à defesa de Lula aos diálogos entre Sergio Moro e a Lava Jato. O desdobramento dessa fase pode ser o reconhecimento de que Moro agiu de forma criminosa. Sem isso, o país deixará a democracia asfixiada", escreveu o parlamentar no Twitter.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta terça-feira (9) a legalidade do acesso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva às mensagens trocadas entre o ex-juiz e procuradores do Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR). 

As mensagens foram obtidas no âmbito da Operação Spoofing, responsável por investigar o acesso a celulares dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email