Vereador é preso em BH por suspeita de envolvimento em morte de parlamentar

O vereador de Belo Horizonte Ronaldo Batista (PSC) foi preso no bairro Castelo, na Região da Pampulha, por suspeita de envolvimento no homicídio do vereador da cidade de Funilândia Hamilton de Moura (MDB)

Ronaldo Batista
Ronaldo Batista (Foto: Karoline Barreto/CMBH)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vereador de Belo Horizonte Ronaldo Batista (PSC) foi preso nessa quinta-feira (15), no bairro Castelo, na Região da Pampulha, por suspeita de envolvimento no homicídio do vereador da cidade de Funilândia Hamilton de Moura (MDB), que era diretor do Sindicato de Motoristas e Empregados das Empresas de Transporte de Carga e Logística em Transporte Diferenciado (Setcemg), com sede no bairro Barroca, na Região Oeste da capital. Outras cinco pessoas foram detidas por possível participação no crime. 

Hamilton de Moura foi encontrado morto dentro do carro no dia 23 de julho, em frente à estação de metrô do bairro Vila Oeste, em Belo Horizonte. Ele estava no banco do motorista, com várias perfurações por arma de fogo.

De acordo com fontes ligadas às investigações, Batista é suspeito de ser o mandante do crime. Grande quantia em dinheiro foi encontrada na casa dele no dia da operação. Um policial militar e um policial penal também são suspeitos do assassinato, que teria como pano de fundo a disputa pelo sindicato.

Em nota, a Câmara Municipal de Belo Horizonte informou que não iria se manifestar porque "o processo não tem correlação com o mandato do vereador e corre em segredo de Justiça".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247