Advogada e esposa de Moro confirma pré-julgamento, diz defesa de Lula

Advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente, afirma que o juiz de Curitiba, "depois de praticar inúmeros prejulgamentos contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora recorreu à esposa e advogada para veicular novos juízos de valor sobre temas que estão sob sua jurisdição"; ao defender o marido na queixa-crime de Lula por abuso de autoridade, Rosangela Wolff Moro disse que as provas indicam, "aparentemente, que ele é o real proprietário" do sítio em Atibaia (SP); juiz "reforça sua suspeição", diz Zanin em nota

Advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente, afirma que o juiz de Curitiba, "depois de praticar inúmeros prejulgamentos contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora recorreu à esposa e advogada para veicular novos juízos de valor sobre temas que estão sob sua jurisdição"; ao defender o marido na queixa-crime de Lula por abuso de autoridade, Rosangela Wolff Moro disse que as provas indicam, "aparentemente, que ele é o real proprietário" do sítio em Atibaia (SP); juiz "reforça sua suspeição", diz Zanin em nota
Advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente, afirma que o juiz de Curitiba, "depois de praticar inúmeros prejulgamentos contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora recorreu à esposa e advogada para veicular novos juízos de valor sobre temas que estão sob sua jurisdição"; ao defender o marido na queixa-crime de Lula por abuso de autoridade, Rosangela Wolff Moro disse que as provas indicam, "aparentemente, que ele é o real proprietário" do sítio em Atibaia (SP); juiz "reforça sua suspeição", diz Zanin em nota (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A defesa do ex-presidente Lula chama de "pré-julgamento" as declarações feitas pela advogada e esposa do juiz Sergio Moro, Rosangela Wolff Moro, em sustentação oral realizada no Tribunal Regional Federal da 4ª Região nesta quinta-feira 9. Ela defende o marido no caso da queixa-crime apresentada pelos advogados de Lula que acusa o magistrado por abuso de autoridade.

A advogada declarou, com procuração de Moro, que provas indicam, "aparentemente, que ele (Lula) é o real proprietário" do "já notório Sítio de Atibaia". Ela fez a declaração no trecho em que defende o mandado de busca e apreensão autorizado por Moro nos endereços do ex-presidente.

Ela rebate o argumento da defesa de que houve excessos na busca e apreensão afirmando que, se isso tivesse ocorrido, o fato teria que ser imputável aos agentes policiais responsáveis pelo cumprimento do mandado, não ao magistrado.

Em nota, o dvogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, afirma que Sergio Moro, "depois de praticar inúmeros prejulgamentos contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora recorreu à esposa e advogada para veicular novos juízos de valor sobre temas que estão sob sua jurisdição". Desta forma, completa ele, o juiz "reforça sua suspeição".

Leia a nota da defesa:

Advogada de Moro confirma prejulgamento no caso do sítio

O juiz lotado na 13a. Vara Federal de Curitiba, depois de praticar inúmeros prejulgamentos contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora recorreu à esposa e advogada para veicular novos juízos de valor sobre temas que estão sob sua jurisdicao.

A advogada disse ontem (09/03), com procuração do juiz, em sustentação oral realizada no Tribunal Regional Federal da 4a. Região, que "aparentemente" Lula "é o proprietário" do "já notório Sítio de Atibaia".

A afirmada notoriedade do sítio, no entanto, advém dos excessos praticados pelo juiz. E Lula não é proprietário desse imóvel. Seus reais proprietários já apresentaram à Lava Jato prova de que adquiriram o sítio com recursos próprios, que também são utilizados para a manutenção e pagamento das despesas do local.

Ademais, Lula não é indiciado, réu e muito menos condenado por qualquer fato relacionado a essa propriedade.

Ao usar da esposa e advogada como interposta pessoa para emitir novo prejulgamento contra Lula - atribuindo-lhe a propriedade de imóvel que pertence a terceiros - o juiz de Curitiba reforça sua suspeição, que será renovada oportunamente pelos mecanismos processuais adequados.

Cristiano Zanin Martins

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247