Celso Amorim: ataque contra acampamento pró-Lula foi terrorismo

Em nota ao Nocaute, o ex-chanceler e ex-ministro da Defesa, o embaixador Celso Amorim, expressou seu veemente repúdio ao atentado sofrido no acampamento Marisa Letícia em Curitiba, onde estão os manifestantes que defendem a liberdade do ex-presidente Lula; "Vamos dar nome aos bois: disparos com armas de fogo contra populações civis, pacíficas e desarmadas, por motivação política é terrorismo. Não dá pra fingir que não viu!"

Em nota ao Nocaute, o ex-chanceler e ex-ministro da Defesa, o embaixador Celso Amorim, expressou seu veemente repúdio ao atentado sofrido no acampamento Marisa Letícia em Curitiba, onde estão os manifestantes que defendem a liberdade do ex-presidente Lula; "Vamos dar nome aos bois: disparos com armas de fogo contra populações civis, pacíficas e desarmadas, por motivação política é terrorismo. Não dá pra fingir que não viu!"
Em nota ao Nocaute, o ex-chanceler e ex-ministro da Defesa, o embaixador Celso Amorim, expressou seu veemente repúdio ao atentado sofrido no acampamento Marisa Letícia em Curitiba, onde estão os manifestantes que defendem a liberdade do ex-presidente Lula; "Vamos dar nome aos bois: disparos com armas de fogo contra populações civis, pacíficas e desarmadas, por motivação política é terrorismo. Não dá pra fingir que não viu!" (Foto: Leonardo Lucena)

Nocaute - Em nota ao Nocaute, o ex-chanceler e ex-ministro da Defesa, o embaixador Celso Amorim, expressou seu veemente repúdio ao atentado sofrido nesse sábado (28) no acampamento Marisa Letícia em Curitiba, onde estão os manifestantes que defendem a liberdade do ex-presidente Lula.

Leia a nota na íntegra:

Expresso aqui meu veemente repúdio ao ato terrorista praticado na madrugada de sábado contra o acampamento, ao mesmo tempo que expresso minha irrestrita solidariedade aos bravos companheiros que continuam, com risco de sua integridade física, a defender a liberdade do Presidente Lula e seu direito de candidatar-se. O fascismo não passará.

Vamos dar nome aos bois: disparos com armas de fogo contra populações civis, pacíficas e desarmadas, por motivação política é terrorismo. Não dá pra fingir que não viu!

Na manhã desse domingo (29), o jornal Folha de São Paulo publicou um artigo do ex-ministro Celso Amorim onde ele comenta a recusa da juíza Carolina Lebbos aos pedidos de visita ao ex-presidente Lula.

Leia aqui os principais trechos:

Uma imagem vale mais que mil palavras, diz o provérbio chinês. Mil palavras não serão capazes de descrever, de forma tão pungente, a tristeza profunda experimentada por milhões de brasileiros (e muitas outras pessoas em todo o mundo) quanto a foto de Leonardo Boff, sentado na soleira do prédio da Polícia Federal, em Curitiba, onde está preso o ex-presidente Lula.

Nas horas que antecederam a partida do presidente, uma característica de sua personalidade sobressaiu em todos os seus gestos: a profunda humanidade, o interesse real e concreto pelo bem-estar material e espiritual dos que estavam dentro do edifício ou entre a multidão que o rodeava.

Lula não saiu da vida para entrar na história, nem pôs em risco a integridade física dos seus apoiadores. Tampouco cedeu à coreografia planejada por seus algozes. Não obedeceu ao ultimato disfarçado em deferência, mas não permitiu que o episódio da prisão constituísse pretexto para novas provocações por aqueles que desejam cerrar as cortinas sobre a democracia brasileira.

Se o afeto e o reconhecimento pelo ex-presidente ofereciam algum consolo à dor de sabê-lo preso, a visão do prédio dava absurda materialidade ao que até então parecia uma ideia abstrata: o encarceramento do ser humano em quem o povo pobre do Brasil vê o seu mais legítimo e querido representante.

Ao longo da minha vida como servidor público, a maior parte da qual no exercício de função diplomática, poucas vezes senti vergonha profunda (distinta de um mero incômodo passageiro) do meu país.

Uma delas foi quando, jovem funcionário servindo no exterior, abri uma revista que regularmente recebia do Brasil e li uma reportagem sobre a morte de um prisioneiro sob tortura. Uma brevíssima brecha na censura imposta pelo regime permitiu que a reportagem fosse publicada. Voltei a experimentar o mesmo sentimento com a recusa aos pedidos de visita a Lula feitos por Adolfo Pérez-Esquivel, prêmio Nobel da Paz em 1980, e pelo amigo de longa data, outro lutador pacífico da paz, Leonardo Boff.

Em 2002, quando o povo teve a coragem de eleger como seu presidente um operário com raízes no sertão do Nordeste, cunhou-se a expressão “a esperança venceu o medo”. Neste momento sombrio, não sei o que lamento mais: a ignorância de nossos juízes quanto às normas internacionais sobre tratamento de presos ou a pequenez de espírito dos que se apegam à formalidade das regras para tomar decisões despidas de qualquer sentido de humanidade.

Em meio a tantas arbitrariedades postas a serviço dos poderosos dentro e fora do Brasil, temos que buscar força e inspiração nas atitudes desassombradas de Boff e Esquivel.

Necessitamos eleições livres e justas, com a participação dos candidatos mais representativos do povo, a começar por Lula, para que a paz e a confiança no futuro sejam devolvidas ao povo brasileiro. Não podemos permitir que o ódio e a mesquinharia vençam a esperança.

Conheça a TV 247

Mais de Sul

Ao vivo na TV 247 Youtube 247