Chance de Lula ser preso em Curitiba é remota, dizem juristas

A possibilidade de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha sua prisão preventiva decretada pelo juiz Sérgio Moro nesta quarta (10), quando os dois estiverem cara a cara pela primeira vez, é considerada bastante remota por juristas; já aconteceu de um juiz mandar prender alguém que voluntariamente apareceu para depor (nunca na Lava Jato); mas "seria uma estranha e infeliz coincidência" se isso ocorresse na quarta, diz Fernando Castelo Branco, um dos coordenadores do Instituto de Direito Público de São Paulo; "Soaria muito mais como armadilha, um motivador para simpatizantes de Lula se revoltarem, do que um ato justificado por elementos que respaldam a prisão preventiva"

A possibilidade de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha sua prisão preventiva decretada pelo juiz Sérgio Moro nesta quarta (10), quando os dois estiverem cara a cara pela primeira vez, é considerada bastante remota por juristas; já aconteceu de um juiz mandar prender alguém que voluntariamente apareceu para depor (nunca na Lava Jato); mas "seria uma estranha e infeliz coincidência" se isso ocorresse na quarta, diz Fernando Castelo Branco, um dos coordenadores do Instituto de Direito Público de São Paulo; "Soaria muito mais como armadilha, um motivador para simpatizantes de Lula se revoltarem, do que um ato justificado por elementos que respaldam a prisão preventiva"
A possibilidade de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha sua prisão preventiva decretada pelo juiz Sérgio Moro nesta quarta (10), quando os dois estiverem cara a cara pela primeira vez, é considerada bastante remota por juristas; já aconteceu de um juiz mandar prender alguém que voluntariamente apareceu para depor (nunca na Lava Jato); mas "seria uma estranha e infeliz coincidência" se isso ocorresse na quarta, diz Fernando Castelo Branco, um dos coordenadores do Instituto de Direito Público de São Paulo; "Soaria muito mais como armadilha, um motivador para simpatizantes de Lula se revoltarem, do que um ato justificado por elementos que respaldam a prisão preventiva" (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Para juristas, as chances de o juiz federal Sergio Moro decretar a prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta (10), quando os dois se encontrarem pela primeira vez em Curitiba, para o depoimento de Lula, são remotas.

"Na teoria é possível, na prática, um tanto improvável, segundo especialistas consultados pela Folha. A possibilidade, contudo, inflama grupos pró e anti-Lula, que planejam marchar até a 13ª Vara Federal de Curitiba, onde o juiz atua.

(...)

Um juiz também pode decretar detenção provisória se ver risco de fuga ou ameaça à ordem pública. 'Não acredito que essas condições existam em relação a Lula', diz o professor da FGV-Rio Ivar Hartmann. Para ele, este último critério "é vago e permite abusos nas prisões". "Seria como afirmar que o crime pelo qual o réu é acusado é muito grave e, se ficar solto, isso irá comover negativamente a comunidade."

Já aconteceu de um juiz mandar prender alguém que voluntariamente apareceu para depor (nunca na Lava Jato). Mas "seria uma estranha e infeliz coincidência" se isso ocorresse na quarta, diz Fernando Castelo Branco, um dos coordenadores do Instituto de Direito Público de São Paulo.

"Soaria muito mais como armadilha, um motivador para simpatizantes de Lula se revoltarem, do que um ato justificado por elementos que respaldam a prisão preventiva."

Por Lula ser quem é, Moro pode ter um zelo que nem sempre dispensa a outros réus, segundo Castelo Branco. 'Claro que ajuda esta condição populista, gera contrafogo com Judiciário. Lula é quase santificado em muitos rincões.'

Se Moro tivesse provas sólidas para prendê-lo, já o teria feito. "Não é aquele amontoado de setas que pode justificar uma prisão", diz, em referência à famosa apresentação no Power Point preparada pelo coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, que colocava Lula no centro do esquema."

As informações são de reportagem de Anna Virginia Ballousier na Folha de S.Paulo.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247