CNJ quer saber de onde juíza Gabriela Hardt tirou R$ 500 milhões oferecidos ao governo para combate ao coronavírus

O corregedor-geral de Justiça, ministro Humberto Martins, quer que a juíza Gabriela Hardt explique a origem da oferta de R$ 500 milhões oferecidos ao governo em nome da Operação Lava Jato para combate ao coronavírus

Gabriela Hardt
Gabriela Hardt (Foto: Enéas Gomez/Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O corregedor-geral de Justiça, ministro Humberto Martins, deu prazo de 15 dias para a juíza Gabriela Hardt explicar a origem da oferta de R$ 500 milhões oferecidos ao governo em nome da Operação Lava Jato para combate ao coronavírus. A magistrada ficou conhecida pela decisão “copia e cola” contra o ex-presidente Lula ao substituir Sérgio Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba (PR).

A oferta do dinheiro cumpre uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), assinada pelo presidente do órgão, ministro Dias Toffoli. A decisão prioriza a destinação de recursos de multas ao combate à pandemia do coronavírus. 

Segundo o Jornal Nacional, a resolução apontou que "os tribunais deverão disciplinar a destinação dos recursos provenientes do cumprimento de pena de prestação pecuniária, transação penal e suspensão condicional do processo nas ações criminais, priorizando a aquisição de materiais e equipamentos médicos necessários ao combate da pandemia Covid-19, a serem utilizados pelos profissionais da saúde".

O ministro Humberto Martins quer saber, no entanto, qual a origem dos recursos oferecidos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email