Deputado do PP anuncia anistia a Cunha se golpe vingar

“Outro deputado qualquer não teria resistido às pressões do Palácio do Planalto. Vamos salvá-lo”, explica o deputado Dirceu Sperafico (PP-PR) ao site Congresso em Foco

“Outro deputado qualquer não teria resistido às pressões do Palácio do Planalto. Vamos salvá-lo”, explica o deputado Dirceu Sperafico (PP-PR) ao site Congresso em Foco
“Outro deputado qualquer não teria resistido às pressões do Palácio do Planalto. Vamos salvá-lo”, explica o deputado Dirceu Sperafico (PP-PR) ao site Congresso em Foco (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da revista Fórum – Deputados federais já articulam uma anistia ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), caso o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT) seja aprovado neste domingo. Cunha responde a processo no Conselho de Ética da Casa por ter mentido à CPI da Petrobras em março de 2015, quando afirmou que não tinha contas em paraísos fiscais.

Os articuladores da anistia argumentam que o papel de Cunha como condutor dentro da Câmara do processo de cassação do mandato presidencial justifica que ele seja poupado por seus pares. “Eduardo Cunha exerceu um papel fundamental para aprovarmos o impeachment da presidente. Merece ser anistiado”, defende Osmar Serraglio (PMDB-PR). “Outro deputado qualquer não teria resistido às pressões do Palácio do Planalto. Vamos salvá-lo”, explica o deputado Dirceu Sperafico (PP-PR).

Apesar das graves acusações contra si, o presidente da Câmara dos Deputados mantém uma bancada de pelo menos 200 parlamentares fiéis a ele, boa parte deles pertencente à bancada BBB (boi, bala e bíblia). Além da cúpula do PMDB e o PSC, partido comandado pela bancada evangélica, o perdão à Cunha conta com simpatizantes no PR, PP, PRB (Ligado à Igreja Universal), SD, DEM e PSDB.

Os investigadores suíços identificaram depósitos de US$ 4,8 milhões e de 1,3 milhão de francos suíços (montante equivalente a R$ 23 milhões), em duas contas identificadas por eles como sendo de Cunha e de sua mulher, a jornalista Cláudia Cruz. O presidente da Câmara já é réu no Supremo pelas acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.

A articulação para salvar Cunha já deu seus primeiros passos dentro do Câmara, com a renúncia do deputado Fausto Pinato (PP-SP) à vaga que ocupava no Conselho de Ética. Ele foi o primeiro relator do caso do presidente da Câmara e defendeu o prosseguimento das investigações. Durante a elaboração de seu relatório, Pinato chegou a prestar depoimento à Polícia Federal em que relatava estar sendo vítima de ameaças. No seu lugar foi nomeada a deputada Tia Eron (PRB-BA), evangélica como Cunha e sua admiradora declarada.

Com informações do Congresso em Foco

 

 
 
 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247