Educação banca fracasso de Beto Richa, diz blog

Cancelamento das ordens de serviço para a distribuição de aulas, denúncias sobre supostas fraudes na montagem das grades curriculares, superlotação nas salas de aula em 2015 são alguns dos problemas apontados na gestão educacional do governador Beto Richa (PSDB); houve ainda vários cortes de funcionários, calote na merenda nas três últimas parcelas do fundo rotativo destinado às despesas das escolas; tucano também tentou calote nos mestres modificando dados cadastrais que impediam os profissionais de subirem de nível no mês de outubro, o que lhes diminuíam cerca de mil reais no salário; Richa recuou

Cancelamento das ordens de serviço para a distribuição de aulas, denúncias sobre supostas fraudes na montagem das grades curriculares, superlotação nas salas de aula em 2015 são alguns dos problemas apontados na gestão educacional do governador Beto Richa (PSDB); houve ainda vários cortes de funcionários, calote na merenda nas três últimas parcelas do fundo rotativo destinado às despesas das escolas; tucano também tentou calote nos mestres modificando dados cadastrais que impediam os profissionais de subirem de nível no mês de outubro, o que lhes diminuíam cerca de mil reais no salário; Richa recuou
Cancelamento das ordens de serviço para a distribuição de aulas, denúncias sobre supostas fraudes na montagem das grades curriculares, superlotação nas salas de aula em 2015 são alguns dos problemas apontados na gestão educacional do governador Beto Richa (PSDB); houve ainda vários cortes de funcionários, calote na merenda nas três últimas parcelas do fundo rotativo destinado às despesas das escolas; tucano também tentou calote nos mestres modificando dados cadastrais que impediam os profissionais de subirem de nível no mês de outubro, o que lhes diminuíam cerca de mil reais no salário; Richa recuou (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Blog do Esmael - Quando a senadora Gleisi Hoffmann (PT) afirmou numa das tiradas mais sensacionais da campanha, durante debate na TV Band, que o governador Beto Richa (PSDB) parecia mais um "Kinder Ovo", pelas constantes surpresas, ela não fazia ideia de que estava definindo politica e sociologicamente como é a gestão do tucano no Paraná. Os educadores que o digam, conforme relato abaixo.

Nesta semana, professores e pedagogos da rede pública do estado foram surpreendidos com o cancelamento das ordens de serviço para a distribuição de aulas. Isto significa que um contingente importante não conseguirá definir se vai trabalhar ou não em 2015. Pior: quem não encontrou onde lecionar ficará sem parte do salário de aulas extraordinária de dezembro.

No Núcleo Regional de Educação de Londrina (NRE), por exemplo, de acordo com aviso no portal, o cancelamento da distribuição de aulas abrangeu as disciplinas de Arte, Educação Física, Geografia, História, Língua Portuguesa e pedagogos. Na região de Curitiba a medida atinge somente aos pedagogos, que ficaram sem ordem de serviço.

Além do interesse "econômico" na medida em que pune os educadores, o que há por trás disso tudo? O poder político, caro leitor, pois são inúmeras denúncias que chegam aqui sobre supostas fraudes na distribuição de aulas. Os diretores de escolas, aliados do governo, estariam "reservando" as aulas para seus pupilos. Esses "privilegiados" seriam futuros cabos eleitorais na eleição para a direção, etc., alimentando uma cadeia de impessoalidade administrativa.

Semana passada o Blog do Esmael mostrou que Richa tentou novo calote nos mestres modificando dados cadastrais que impediam os profissionais de subirem de nível no mês de outubro, o que lhes diminuíam cerca de mil reais no salário. Diante da denúncia, recuou da intenção em menos de 24 horas (clique aqui).

O leitor pode até achar pouca coisa o que se registra aqui, mas, como o orçamento da Educação é o maior do governo do estado, qualquer "mixaria" é muita coisa.

A estratégia de Beto Richa é jogar o fracasso de seu "choque de gestão" na conta dos educadores paranaenses.

Nos últimos meses também se mostrou neste espaço que o governo tucano se esforçou bastante para fechar 141 escolas (clique aqui) e várias turmas no estado, o que causará superlotação nas salas de aula em 2015 (clique aqui).

Houve ainda vários cortes de funcionários, calote na merenda nas três últimas parcelas do fundo rotativo destinado às despesas das escolas (clique aqui). "Em 11 anos de direção, nunca tinha ocorrido isso", disse um diretor que pediu para não ser identificado. "Isso atrapalha até o comércio local", completou.

O ensino superior, da mesma forma, acaba bancando o "choque de gestão" do PSDB. Na semana passada, em Londrina, a comunidade universitária saiu às ruas para protestar contra cortes no já escasso orçamento das universidades. Essas instituições, inclusive, tiveram de suspender a formação continuado do PDE devido aos calotes.

Para fechar o "repolho", o governo Richa resolveu prorrogar o contrato de funcionários da limpeza e administrativo em regime PSS para fugir das rescisões trabalhistas. Com isso, segura mais dinheiro em caixa, os comissionados riem à toa, mas falta um dinheirinho para o peru extra dos educadores.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247