Força-tarefa recorre para ampliar sentença de Lula na Lava Jato

Procuradores que integram a força-tarefa da Lava Jato apresentaram recurso buscando aumento da pena imposta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo que envolve um apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo; Lula foi condenado neste caso a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro; além de pedirem penas maiores para Lula, os procuradores também recorreram da decisão que absolveu o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente da empreiteira OAS Léo Pinheiro por supostas irregularidades no armazenamento de bens do acervo presidencial de Lula

moro lula
moro lula (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Os procuradores que integram a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba apresentaram recurso nesta segunda-feira buscando aumento da pena imposta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo que envolve um apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo.

Lula foi condenado neste caso a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, mas o juiz Sérgio Moro não determinou que o ex-presidente fosse preso imediatamente.

Além de pedirem penas maiores para Lula, os procuradores da Lava Jato em Curitiba também recorreram da decisão de Moro que absolveu o ex-presidente, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente da empreiteira OAS Léo Pinheiro por supostas irregularidades no armazenamento de bens do acervo presidencial de Lula.

Para os procuradores, a OAS arcou com essa despesa junto à empresa Granero como uma forma de pagar propina a Lula em troca de contratos na Petrobras.

"Lula e Paulo Okamotto deixaram de seguir as vias lícitas, recorrendo, por meio de um contrato ideologicamente falso e de um negócio dissimulado com a Granero, a vantagens indevidas junto ao Grupo OAS", afirmam os procuradores no recurso.

A apelação do Ministério Público Federal no Paraná será analisada pelo Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4), sediado em Porto Alegre e onde são analisados os casos da Lava Jato em segunda instância.

Lula e seus advogados negam quaisquer irregularidades, afirmam que o ex-presidente é alvo de perseguição política promovida por setores do Ministério Público, da Polícia Federal e do Judiciário e já disseram que irão recorrer ao TRF-4.

Caso a condenação de Lula seja confirmada em segunda instância, o ex-presidente ficará impedido de disputar a eleição presidencial do ano que vem.

Lula lidera as pesquisas de intenção de voto para o pleito do ano que vem e, após a condenação por Moro, o ex-presidente anunciou que buscará a candidatura ao Palácio do Planalto pelo PT.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247