Fruet promete metrô “se houver recursos federal”

O prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, Gustavo Fruet (PDT), comentou sobre como ficará o metrô de Curitiba, com o edital de licitação suspenso; segundo ele, o transporte "se viabiliza se houver recurso do governo federal, se houver crescimento econômico e a decisão do governo federal em investir em infraestrutura"; "O modal ferroviário está nessa linha. Então, o projeto está todo atualizado, com conhecimento da Caixa Econômica Federal, do Ministério das Cidades, do BNDES e depende de recurso orçamentário, da parceria público-privada", disse

O prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, Gustavo Fruet (PDT), comentou sobre como ficará o metrô de Curitiba, com o edital de licitação suspenso; segundo ele, o transporte "se viabiliza se houver recurso do governo federal, se houver crescimento econômico e a decisão do governo federal em investir em infraestrutura"; "O modal ferroviário está nessa linha. Então, o projeto está todo atualizado, com conhecimento da Caixa Econômica Federal, do Ministério das Cidades, do BNDES e depende de recurso orçamentário, da parceria público-privada", disse
O prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, Gustavo Fruet (PDT), comentou sobre como ficará o metrô de Curitiba, com o edital de licitação suspenso; segundo ele, o transporte "se viabiliza se houver recurso do governo federal, se houver crescimento econômico e a decisão do governo federal em investir em infraestrutura"; "O modal ferroviário está nessa linha. Então, o projeto está todo atualizado, com conhecimento da Caixa Econômica Federal, do Ministério das Cidades, do BNDES e depende de recurso orçamentário, da parceria público-privada", disse (Foto: Leonardo Lucena)

Paraná 247 - O prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, Gustavo Fruet (PDT), comentou sobre como ficará o metrô de Curitiba, com o edital de licitação suspenso. Segundo ele, o transporte "se viabiliza se houver recurso do governo federal, se houver crescimento econômico e a decisão do governo federal em investir em infraestrutura". "O modal ferroviário está nessa linha. Então, o projeto está todo atualizado, com conhecimento da Caixa Econômica Federal, do Ministério das Cidades, do BNDES e depende de recurso orçamentário, da parceria público-privada", disse.

Fruet disse que "há uma lógica e um conjunto de ações, que passam pela ciclofaixas, pelas Vias Calmas, pela Área Calma, pela faixa exclusiva, que permite a redução no número de acidentes".

"Nós tivemos um ganho de tempo de deslocamento dos ônibus que circulam pelas faixas exclusivas. Mostrar e trabalhar permanentemente na conscientização de que a via pública é um espaço a ser compartilhado, que não pode ser prioridade de um podal, mas há que se dar atenção às pessoas com deficiências, idosos", disse. A entrevista foi concedida ao Paraná TV 1ª edição.

"Por isso, o semáforo inteligente, que reduziu o índice de atropelamentos, principalmente, na área central, onde os indicadores apontavam maiores problemas. Houve uma redução no índice de acidentes com ciclistas também. E, aí, é uma via de mão dupla.
O ciclista se conscientizar de usar a ciclofaixa, usar a Via Calma. A Via Calma foi implantada especialmente na Sete de Setembro, na João Gualberto, Avenida Paraná para justamente incentivar o ciclista a não usar a canaleta", complementou.

Sobre o fato de o Mapa da Violência 2016 apontar que a capital saiu da 11ª posição e foi para a 15ª no ranking das capitais. "Eu vi esses dados e é bom destacar que está incluindo a Região Metropolitana, então, analisando só a capital, os índices são diferentes. Houve uma redução de homicídio. O que houve foi um aumento de furtos e, talvez, em função da crise econômica", disse.

"Reafirmar que eu entendo que a responsabilidade constitucional é do Governo do Estado e, há muitos anos, o governo não amplia o efetivo da Polícia Militar em Curitiba. Ainda são os mesmos batalhões, quase 2.500 policiais. Nós trabalhamos em integração, acreditamos e conhecemos a competência da Polícia Militar, mas mesmo assim, a gente não parou", acrescentou.

Para reduzir a violência, ele prometeu trocar 40% do sistema de iluminação da cidade até o final da sua gestão, com 160 mil pontos de iluminação. "Hoje temos quase mil câmeras. Poderemos aumentar em, pelo menos, 50% na próxima gestão com sistema de rádio e fibra ótica. Estamos também dispondo de uma rede na cidade e trabalhando muito, de forma integrada, colocando toda essa base de dados e mais informações, também como espelho, para a Polícia Militar".

 

Conheça a TV 247

Mais de Sul

Ao vivo na TV 247 Youtube 247