Frustração levará à queda de Bolsonaro, aponta Requião

Ex-senador Roberto Requião avaliou que o crescimento do apoio a Bolsonaro nas pesquisas de opinião está ligado ao auxílio emergencial, que será cortado em breve. "Não acredito que o auxílio emergencial vá manter na coleira esse eleitorado lulista”, declarou

Requião pede "interdição psiquiátrica imediata" de Jair Bolsonaro por declarações sobre o coronavírus.
Requião pede "interdição psiquiátrica imediata" de Jair Bolsonaro por declarações sobre o coronavírus. (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado | Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-governador do Paraná e ex-senador Roberto Requião avaliou nesta terça-feira, 15, que Jair Bolsonaro não deverá ter grande sobrevida na Presidência da República, em grande medida em função de sua incapacidade em retomar a economia do Brasil. 

Em entrevista ao site Tutaméia, requião disse que Bolsonaro vai acabar porque "foi um acidente de percurso". "Os milionários não suportam mais o Bolsonaro, as suas boçalidades. Bolsonaro vai ser defenestrado. Cai do governo com ou sem impeachment. Ele não é tolerado pela burguesia brasileira. Ele está tentando fazer como um Beppe Grillo [político italiano], se identificar com o lumpesinato. Ele não vai poder sustentar economicamente as esperanças. Ele será uma frustração para a população. A minha preocupação é que nessa frustração surja um projeto para o Brasil ou ficamos na mão de ditadores”, afirmou Requião. 

O ex-senador avaliou que o crescimento do apoio a Bolsonaro nas pesquisas de opinião está ligado ao auxílio emergencial, que será cortado em breve. 

“Ele se apropria do eleitorado mais afastado das questões políticas e econômicas, que foi do Lula com as políticas compensatórias. Mas o povo brasileiro, que conheceu o Getúlio Vargas, a CLT, que conheceu a evolução do Ocidente em relação a direitos de trabalhadores, das mulheres e isso tudo se incorporou à nossa legislação, quando a crise apertar, mais não vai se conformar e se submeter a essa canalha que acabou com a CLT. Não acredito que o auxílio emergencial vá manter na coleira esse eleitorado lulista”, declarou Roberto Requião ao Tutaméia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247