Gleisi: Bretas usou instrumentos da justiça para fazer retaliação política

"Gravíssima decisão da Lava Jato de invadir a casa e o escritório do advogado que denunciou crimes e abusos de poder cometidos pela operação. Usam instrumentos da justiça para fazer retaliação política", afirmou a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), após operação da PF contra o escritório do advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula

Gleisi Hoffmann, Cristiano Zanin e Marcelo Bretas
Gleisi Hoffmann, Cristiano Zanin e Marcelo Bretas (Foto: LULA MARQUES | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), apontou "retaliação política" contra Cristiano Zanin Martins, advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por causa da invasão de agentes da Polícia Federal ao escritório de advocacia dele, após determinação do juiz Marcelo Bretas, responsável pelo julgamento dos processos da Operação Lava Jato no estado do Rio de Janeiro. 

"Gravíssima decisão da Lava Jato de invadir a casa e o escritório do advogado que denunciou crimes e abusos de poder cometidos pela operação. Usam instrumentos da justiça para fazer retaliação política. É com violência desse tipo que se destrói o estado de direito", escreveu o parlamentar no Twitter.

A Operação tem o nome E$quema S investiga supostos desvios no Sistema S do RJ por escritórios de advocacia no Rio e em São Paulo. De acordo com as investigações, os escritórios e outras empresas são investigados por desvios de cerca de R$ 355 milhões do Serviço Social do Comércio (Sesc RJ), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac RJ) e da Federação do Comércio (Fecomércio/RJ) que teriam acontecido entre 2012 e 2018. 

O advogado Cristiano Zanin Martins disse que a operação da PF é um "atentado à advocacia". "É público e notório que minha atuação na advocacia desmascarou as arbitrariedades praticadas pela Lava Jato, as relações espúrias de seus membros com entidades públicas e privadas e sobretudo com autoridades estrangeiras", afirmou o defensor em nota. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247