Gleisi: “Julga-se primeiro antes de ter informação”

Senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) voltou a criticar a prisão de seu marido, Paulo Bernardo, no dia em que o STF atendeu pedido da defesa e liberou o ex-ministro; segundo Gleisi, "não tinha base legal nenhuma para essa prisão"; "Quem leu a decisão via de pronto a fragilidade. Nunca nos recusamos a responder nada. Não podemos admitir que a Justiça não seja seguida e a Constituição não seja respeitada. Quero lamentar comentários que foram feitos aqui sobre isso. Infelizmente, julga-se primeiro antes de ter informação”, criticou, no Senado; segundo ela, decisão de Toffoli foi "fundamental"

Senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) voltou a criticar a prisão de seu marido, Paulo Bernardo, no dia em que o STF atendeu pedido da defesa e liberou o ex-ministro; segundo Gleisi, "não tinha base legal nenhuma para essa prisão"; "Quem leu a decisão via de pronto a fragilidade. Nunca nos recusamos a responder nada. Não podemos admitir que a Justiça não seja seguida e a Constituição não seja respeitada. Quero lamentar comentários que foram feitos aqui sobre isso. Infelizmente, julga-se primeiro antes de ter informação”, criticou, no Senado; segundo ela, decisão de Toffoli foi "fundamental"
Senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) voltou a criticar a prisão de seu marido, Paulo Bernardo, no dia em que o STF atendeu pedido da defesa e liberou o ex-ministro; segundo Gleisi, "não tinha base legal nenhuma para essa prisão"; "Quem leu a decisão via de pronto a fragilidade. Nunca nos recusamos a responder nada. Não podemos admitir que a Justiça não seja seguida e a Constituição não seja respeitada. Quero lamentar comentários que foram feitos aqui sobre isso. Infelizmente, julga-se primeiro antes de ter informação”, criticou, no Senado; segundo ela, decisão de Toffoli foi "fundamental" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - A senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) voltou a criticar a prisão de seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, nesta quarta-feira 29, após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter revogado a reclusão. Bernado foi detido na semana passada na Operação Custo Brasil, um desdobramento da Operação Lava Jato.

“Quando retornei aqui na segunda-feira, disse que retornava de cabeça erguida, porque muitos me perguntavam se eu retornaria porque meu marido tinha sido preso. E eu disse naquela ocasião que a prisão tinha sido injusta, inconsequente e ilegal, que aquilo fazia parte mais de uma armação midiática”, disparou Gleisi, no Senado.

“Isso é fundamental para mim, para nós, porque não tinha base legal nenhuma para essa prisão. Quem leu a decisão via de pronto a fragilidade. Nunca nos recusamos a responder nada. Não podemos admitir que a Justiça não seja seguida e a Constituição não seja respeitada. Quero lamentar comentários que foram feitos aqui sobre isso. Infelizmente, julga-se primeiro antes de ter informação”.

O ministro do STF Dias Toffoli negou um pedido de Bernardo para que o caso dele fosse retirado da Justiça Federal de São Paulo e encaminhado para o STF, mas atendeu a outro pedido e decidiu revogar a prisão, que considerou "ilegal".

"Liminar requerida indeferida. Mantida as investigações junto ao juízo reclamado. Porém, por configurar flagrante constrangimento ilegal, passível de correção por habeas corpus de ofício, determina-se cautelarmente a revogação da prisão preventiva do reclamante (Paulo Bernardo), sem prejuízo da fixação de medidas cautelares alternativas", escreveu Toffoli.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247