Lava Jato investiga se Cunha usava nome falso em banco suíço

A Operação Lava Jato tenta descobrir se o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) usava um e-mail falso para se comunicar com o banco Julius Bär, da Suíça; de acordo com o MPF, uma conta de e-mail registrada em nome de Carlos Trívoli, pode ter sido usada para que o peemedebista fizesse contato com funcionários do banco; o juiz federal  Sérgio Moro determinou à operadora Vivo a quebra de sigilo de um IP, o número de endereço eletrônico único, que corresponde a cada acesso que se faz à internet

A Operação Lava Jato tenta descobrir se o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) usava um e-mail falso para se comunicar com o banco Julius Bär, da Suíça; de acordo com o MPF, uma conta de e-mail registrada em nome de Carlos Trívoli, pode ter sido usada para que o peemedebista fizesse contato com funcionários do banco; o juiz federal  Sérgio Moro determinou à operadora Vivo a quebra de sigilo de um IP, o número de endereço eletrônico único, que corresponde a cada acesso que se faz à internet
A Operação Lava Jato tenta descobrir se o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) usava um e-mail falso para se comunicar com o banco Julius Bär, da Suíça; de acordo com o MPF, uma conta de e-mail registrada em nome de Carlos Trívoli, pode ter sido usada para que o peemedebista fizesse contato com funcionários do banco; o juiz federal  Sérgio Moro determinou à operadora Vivo a quebra de sigilo de um IP, o número de endereço eletrônico único, que corresponde a cada acesso que se faz à internet (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - A Operação Lava Jato tenta descobrir se o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) usava um e-mail falso para se comunicar com o banco Julius Bär, da Suíça. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), uma conta de e-mail registrada em nome de Carlos Trívoli, pode ter sido usada para que o peemedebista fizesse contato com funcionários do banco.

O juiz federal  Sérgio Moro determinou à operadora Vivo a quebra de sigilo de um IP, o número de endereço eletrônico único, que corresponde a cada acesso que se faz à internet. A empresa tem cinco dias para se manifestar. De acordo com o magistrado, o objetivo é determinar a quem pertencia esse IP, utilizado no último acesso à conta de e-mail do suposto Carlos Trívoli.

"Conforme bem pontuou o MPF, como o IP externo é variável e muda em cada acesso do usuário à internet, com o levantamento do sigilo cadastral e o fornecimento, à provedora de  internet, do endereço IP e das informações de acesso (data e horário), é possível determinar, com elevado grau de precisão, os dados cadastrais do responsável pelo acesso e, portanto, do utilizador do e­mail", disse Moro no despacho protocolado nesta segunda-feira (5).

Cunha está preso na carceragem da Polícia Federa, em Curitiba, desde o dia 19 de outubro deste ano. O ex-parlamentar teve o mandato cassado, por ter mentido em uma sessão na Câmara dos Deputados, onde afirmou não ter contas na Suíça. Investigadores da Lava Jato afirmam que ele possui as contas no referido País, o que também foi confirmado pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot.

O peemedebista é réu em uma ação penal e em uma ação de improbidade administrativa, que correm na Justiça Federal de Curitiba. A esposa dele, Cláudia Cordeiro Cruz, também é ré em uma ação penal. Cunha é acusado de receber propina por contratos firmados na Petrobras. Ainda não houve julgamento.

O advogado Marlus Arns de Oliveira, não comentou o assunto.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247