Lava Jato: mesmo preso, Marcelo pagou propinas

Investigadores da força-tarefa da Operação Lava Jato disseram em coletiva de imprensa nesta manhã ter identificado uma "estrutura profissional de pagamento de propinas dentro da Odebrecht"; segundo a procuradora Laura Tessler, havia um "pagamento sistemático de propina" na empreiteira, mesmo depois de iniciada a investigação contra a empresa e da prisão do executivo Marcelo Odebrecht; havia "relação do Marcelo Odebrecht diretamente no pagamento de propina", disse a procuradora, citando referências às iniciais "MBO" (Marcelo Bahia Odebecht) ou "diretor-presidente" em e-mails emitidos até "recente data, novembro de 2015", o que para ela "chega a ser de certa forma assustador" e uma "ousadia"

Investigadores da força-tarefa da Operação Lava Jato disseram em coletiva de imprensa nesta manhã ter identificado uma "estrutura profissional de pagamento de propinas dentro da Odebrecht"; segundo a procuradora Laura Tessler, havia um "pagamento sistemático de propina" na empreiteira, mesmo depois de iniciada a investigação contra a empresa e da prisão do executivo Marcelo Odebrecht; havia "relação do Marcelo Odebrecht diretamente no pagamento de propina", disse a procuradora, citando referências às iniciais "MBO" (Marcelo Bahia Odebecht) ou "diretor-presidente" em e-mails emitidos até "recente data, novembro de 2015", o que para ela "chega a ser de certa forma assustador" e uma "ousadia"
Investigadores da força-tarefa da Operação Lava Jato disseram em coletiva de imprensa nesta manhã ter identificado uma "estrutura profissional de pagamento de propinas dentro da Odebrecht"; segundo a procuradora Laura Tessler, havia um "pagamento sistemático de propina" na empreiteira, mesmo depois de iniciada a investigação contra a empresa e da prisão do executivo Marcelo Odebrecht; havia "relação do Marcelo Odebrecht diretamente no pagamento de propina", disse a procuradora, citando referências às iniciais "MBO" (Marcelo Bahia Odebecht) ou "diretor-presidente" em e-mails emitidos até "recente data, novembro de 2015", o que para ela "chega a ser de certa forma assustador" e uma "ousadia" (Foto: Ana Pupulin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Reuters - As investigações da operação Lava Jato identificaram pagamento de propina por parte da Odebrecht além do esquema de corrupção na Petrobras, com irregularidades identificadas na áreas de óleo e gás, ambiental, infraestrutura, e estádios de futebol, entre outras, disse nesta terça-feira o procurador federal Carlos Fernando dos Santos Lima.

Segundo a força-tarefa da Lava Jato, um esquema de contabilidade paralela da empreiteira também realizou pagamentos na Argentina e em Angola. Investigadores da força-tarefa falaram em uma "estrutura profissional de pagamento de propinas dentro da Odebrecht" durante coletiva de imprensa nesta manhã. 

Segundo a procuradora Laura Tessler, havia um "pagamento sistemático de propina" na empreiteira, mesmo depois de iniciada a investigação contra a empresa e da prisão do executivo Marcelo Odebrecht. Havia "relação do Marcelo Odebrecht diretamente no pagamento de propina", disse a procuradora, citando referências às iniciais "MBO" (Marcelo Bahia Odebecht) ou "diretor-presidente" em e-mails emitidos até "recente data, novembro de 2015", o que para ela "chega a ser de certa forma assustador" e uma "ousadia".

A Polícia Federal lançou a 26ª fase da operação Lava Jato para cumprir 15 mandados de prisão tendo como alvo principal a Odebrecht, suspeita de realizar pagamento sistemático de propinas a pessoas ligadas ao poder público em todas as esferas devido a contratos firmados pela empresa em diferentes áreas de atuação.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247