Lula: Moro divulga escutas ilegais, mas quer dizer a jornais o que devem publicar

Instituto Lula reforçou nesta quinta-feira, 13, as críticas ao juiz federal Sério Moro, que enviou carta à Folha de S.Paulo, questionando o teor de um artigo sobre ele e até o fato do jornal tê-lo publicado; "O mesmo juiz Sérgio Moro usou de seu cargo e autoridade para divulgar para a imprensa gravações ilegais de uma conversa do ex-presidente Lula com a então presidenta Dilma Roussef, que não poderia ter sido gravada, muito mais divulgada, e gravações de conversas privadas de Lula e sua família, violando flagrantemente a Lei de Interceptações que não permite a divulgação dessas escutas", afirma o Instituto Lula em nota

Instituto Lula reforçou nesta quinta-feira, 13, as críticas ao juiz federal Sério Moro, que enviou carta à Folha de S.Paulo, questionando o teor de um artigo sobre ele e até o fato do jornal tê-lo publicado; "O mesmo juiz Sérgio Moro usou de seu cargo e autoridade para divulgar para a imprensa gravações ilegais de uma conversa do ex-presidente Lula com a então presidenta Dilma Roussef, que não poderia ter sido gravada, muito mais divulgada, e gravações de conversas privadas de Lula e sua família, violando flagrantemente a Lei de Interceptações que não permite a divulgação dessas escutas", afirma o Instituto Lula em nota
Instituto Lula reforçou nesta quinta-feira, 13, as críticas ao juiz federal Sério Moro, que enviou carta à Folha de S.Paulo, questionando o teor de um artigo sobre ele e até o fato do jornal tê-lo publicado; "O mesmo juiz Sérgio Moro usou de seu cargo e autoridade para divulgar para a imprensa gravações ilegais de uma conversa do ex-presidente Lula com a então presidenta Dilma Roussef, que não poderia ter sido gravada, muito mais divulgada, e gravações de conversas privadas de Lula e sua família, violando flagrantemente a Lei de Interceptações que não permite a divulgação dessas escutas", afirma o Instituto Lula em nota (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O Instituto Lula reforçou nesta quinta-feira, 13, as críticas ao juiz federal Sério Moro, que enviou carta à Folha de S.Paulo, questionando o teor de um artigo sobre ele e até o fato do jornal tê-lo publicado (leia aqui).

"O mesmo juiz Sérgio Moro usou de seu cargo e autoridade para divulgar para a imprensa gravações ilegais de uma conversa do ex-presidente Lula com a então presidenta Dilma Roussef, que não poderia ter sido gravada, muito mais divulgada, e gravações de conversas privadas de Lula e sua família, violando flagrantemente a Lei de Interceptações que não permite a divulgação dessas escutas", afirma o Instituto Lula em nota.

Além do Instituto Lula, o colunista Kennedy Alencar também fez críticas à conduta do juiz Sérgio Moro em relação ao artigo de Rogério Cezar de Cerqueira Leite. "Não cabe a um juiz exercer o papel de editor de jornal. Esse tipo de atitude é autoritária e perigosamente moralista para quem detém tanto poder como Moro", disse o jornalista (leia mais).

Leia na íntegra a nota do Instituto Lula:

"Moro divulgou escutas ilegais mas quer dizer a jornais o que devem ou não publicar

O Juiz Sérgio Moro enviou uma carta ao jornal Folha de S.Paulo questionando mais do que o teor de um artigo sobre ele, mas o próprio fato do jornal tê-lo publicado e ter seu autor, o cientista Rogério Cezar de Cerqueira Leite, como membro do Conselho Editorial do jornal, aparentemente estimulando sua expulsão desse Conselho.

O mesmo juiz Sérgio Moro usou de seu cargo e autoridade para divulgar para a imprensa gravações ilegais de uma conversa do ex-presidente Lula com a então presidenta Dilma Roussef, que não poderia ter sido gravada, muito mais divulgada, e gravações de conversas privadas de Lula e sua família, violando flagrantemente a Lei de Interceptações que não permite a divulgação dessas escutas.

Apesar de ter sido um ato flagrantemente ilegal do juiz Sérgio Moro, ao julgar a ação de divulgação do grampo ilegal, o Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4) decidiu que a medida era de "tempos excepcionais" e, por isso, não era necessário que Moro seguisse a lei ou recebesse qualquer sanção por descumpri-la.

Sérgio Moro escreveu em 2004 um artigo sobre as Operações Mãos Limpas, modelo da Lava Jato, em que ressalta a importância do apoio de revistas e jornais "simpatizantes" das autoridades judiciais e policiais. No artigo, Moro escreveu que diante da dificuldade de se punir políticos, ou seja, provar crimes, a opinião pública seria um "substitutivo" para impor aos seus inimigos um "ostracismo". Ou seja, Moro teorizou o uso do apoio de meios de comunicação como as Organizações Globo e o Estado de S.Paulo para destruir a imagem dos inimigos da Lava Jato como um substituto do devido processo legal, passando por cima da apuração dos fatos e da defesa dos acusados.

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entraram com uma ação no Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas contra as violações da Lava Jato contra a lei e os direitos humanos. Leia a íntegra da ação na ONU e entenda a extensão das violações à lei e ao direito brasileiros pela Operação Lava Jato no seu desespero de tirar Lula do jogo político."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247