Marcha do MST toma as ruas de Curitiba

Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e de movimentos populares que estão em Curitiba para acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, 10, ao juiz Sérgio Moro, não se intimidaram com a intimidação da Polícia Militar que desfilou pelas ruas mais cedo; na noite desta terça-feira, 9, centenas de manifestantes tomaram as ruas de Curitiba em ato em defesa de Lula e do Estado Democrático de Direito. Assista vídeo acima sobre a manifestação

Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e de movimentos populares que estão em Curitiba para acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, 10, ao juiz Sérgio Moro, não se intimidaram com a intimidação da Polícia Militar que desfilou pelas ruas mais cedo; na noite desta terça-feira, 9, centenas de manifestantes tomaram as ruas de Curitiba em ato em defesa de Lula e do Estado Democrático de Direito. Assista vídeo acima sobre a manifestação
Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e de movimentos populares que estão em Curitiba para acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, 10, ao juiz Sérgio Moro, não se intimidaram com a intimidação da Polícia Militar que desfilou pelas ruas mais cedo; na noite desta terça-feira, 9, centenas de manifestantes tomaram as ruas de Curitiba em ato em defesa de Lula e do Estado Democrático de Direito. Assista vídeo acima sobre a manifestação (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e de movimentos populares que estão em Curitiba para acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, 10, ao juiz Sérgio Moro, não se intimidaram com a intimidação da Polícia Militar que desfilou pelas ruas mais cedo. 

Na noite desta terça-feira, 9, centenas de manifestantes tomaram as ruas de Curitiba em ato em defesa de Lula e do Estado Democrático de Direito. Assista vídeo acima sobre a manifestação. 

Leia reportagem da Rede Brasil Atual sobre os atos em Curitiba:

Após revistar 20 ônibus, polícia apreende uma faca de cozinha e uma enxada

O cerco policial empregado na tarde desta terça-feira (9) no Paraná contra os trabalhadores que se dirigiam ao acampamento da Jornada pela Democracia, em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que presta depoimento amanhã (10) ao juiz Sergio Moro a partir de 14h, resultaram na apreensão de uma enxada e uma faca de cozinha. Em nota, a Frente Brasil Popular reafirma a natureza pacífica da manifestação em Curitiba, organizada para acompanhar o depoimento de Lula.

"Apenas um utensílio de cozinha e um outro de acampamento foram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) no interior dos ônibus das caravanas que se dirigiam à Curitiba. É muito diferente do que propagandeou a Secretaria de Segurança do Paraná", afirma a entidade do campo progressista que representa os movimentos sociais e participa da organização do acampamento.

O secretário, Wagner Mesquita, disse à imprensa que foram apreendidas "armas brancas", referindo-se à enxada e à faca. Os materiais de trabalho no campo foram apreendidos com integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Foram cerca de 20 ônibus revistados para que a polícia conseguisse encontrar as "armas". "São itens necessários para o acampamento e para a alimentação", diz a Frente Brasil Popular.

"Reafirmamos novamente o caráter pacífico e organizado da vinda de movimentos sociais à Curitiba – tanto que as caravanas se dispuseram integralmente à revista, que atrasou em cerca de duas horas as atividades na capital", completa. Estão programadas atividades culturais e debates em todo o dia de amanhã, além das já realizadas hoje. "As atividades comprovam o caráter pacífico e organizado do evento", finaliza.

De acordo com a secretaria estadual, 1.350 militantes já estão na capital paranaense oriundos de 36 ônibus. São esperados mais cerca de 100 ônibus para amanhã. Os presentes ressaltam que, além da defesa de Lula diante do que chamam de "ilegalidades" cometidas pela Justiça, um dos objetivos centrais do acampamento é a retomada do processo democrático no país, que, de acordo com os presentes, foi rompido após o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT).

"A única solução política a curto prazo é o presidente Michel Temer (PMDB) renunciar, entregar o governo para a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, então, ela deve convocar eleições gerais para este ano. Esta seria a melhor solução, para colocar um governo que tenha força social suficiente para enfrentar a crise política e social. O governo tem menos de 8% de aprovação e está aprovando as reformas trabalhista e da Previdência. Isso tudo será anulado no próximo governo", alerta o líder do MST João Pedro Stédile, presente no acampamento em Curitiba.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247