Moro autoriza Azevedo, que mentiu para favorecer Temer, a sair de casa

Delator que mentiu para favorecer Michel Temer, o ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, foi autorizado pelo juiz Sergio Moro, da Lava Jato, a progredir do regime domiciliar para o semiaberto; Azevedo chegou a mudar a primeira versão de seu depoimento, quando denunciou que houve pagamento de propina para a campanha de Dilma Rousseff, à negação de qualquer irregularidade depois que a equipe de Dilma divulgou um cheque nominal a Temer por parte de sua empresa; ele não foi punido por isso

OTAVIO9 - RJ - 04/10/2013 - OTAVIO AZEVEDO/ENTREVISTA - ESPECIAL DOMINICAL ECONOMIA OE - Entrevista com o presidente da empresa Andrade Gutierrez, Ot�vio Azevedo, em Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. Foto: MARCOS DE PAULA/ESTAD�O
OTAVIO9 - RJ - 04/10/2013 - OTAVIO AZEVEDO/ENTREVISTA - ESPECIAL DOMINICAL ECONOMIA OE - Entrevista com o presidente da empresa Andrade Gutierrez, Ot�vio Azevedo, em Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. Foto: MARCOS DE PAULA/ESTAD�O (Foto: Gisele Federicce)

247 - O ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, foi autorizado pelo juiz Sergio Moro a sair de casa durante os dias. Ele teve seu regime de prisão progredido de domiciliar para semiaberto.

Delator, Azevedo mentiu em depoimento à Justiça para favorecer Michel Temer. Na primeira versão de seu depoimento, o executivo denunciou que houve pagamento de propina para a campanha de Dilma Rousseff.

Posteriormente, quando a equipe de Dilma divulgou que a doação da Andrade à campanha foi feita por meio de um cheque nominal a Temer, candidato a vice-presidente, Azevedo voltou atrás e mudou seu depoimento, alegando que não houve qualquer irregularidade nas doações.

Ele não foi punido por isso.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247