Moro autoriza Azevedo, que mentiu para favorecer Temer, a sair de casa

Delator que mentiu para favorecer Michel Temer, o ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, foi autorizado pelo juiz Sergio Moro, da Lava Jato, a progredir do regime domiciliar para o semiaberto; Azevedo chegou a mudar a primeira versão de seu depoimento, quando denunciou que houve pagamento de propina para a campanha de Dilma Rousseff, à negação de qualquer irregularidade depois que a equipe de Dilma divulgou um cheque nominal a Temer por parte de sua empresa; ele não foi punido por isso

OTAVIO9 - RJ - 04/10/2013 - OTAVIO AZEVEDO/ENTREVISTA - ESPECIAL DOMINICAL ECONOMIA OE - Entrevista com o presidente da empresa Andrade Gutierrez, Ot�vio Azevedo, em Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. Foto: MARCOS DE PAULA/ESTAD�O
OTAVIO9 - RJ - 04/10/2013 - OTAVIO AZEVEDO/ENTREVISTA - ESPECIAL DOMINICAL ECONOMIA OE - Entrevista com o presidente da empresa Andrade Gutierrez, Ot�vio Azevedo, em Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. Foto: MARCOS DE PAULA/ESTAD�O (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, foi autorizado pelo juiz Sergio Moro a sair de casa durante os dias. Ele teve seu regime de prisão progredido de domiciliar para semiaberto.

Delator, Azevedo mentiu em depoimento à Justiça para favorecer Michel Temer. Na primeira versão de seu depoimento, o executivo denunciou que houve pagamento de propina para a campanha de Dilma Rousseff.

Posteriormente, quando a equipe de Dilma divulgou que a doação da Andrade à campanha foi feita por meio de um cheque nominal a Temer, candidato a vice-presidente, Azevedo voltou atrás e mudou seu depoimento, alegando que não houve qualquer irregularidade nas doações.

Ele não foi punido por isso.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247