Moro: corrupção vai além da Petrobras. Cemig?

Juiz responsável pelos processos da Lava Jato diz que "há indícios" de que o esquema de fraude vá "muito além" da Petrobras, atingindo outros setores públicos; constatação tem como base uma tabela "perturbadora", segundo Sergio Moro, do doleiro Alberto Youssef em que são citadas cerca de 750 obras públicas; oposição deve agora pressionar para que sejam investigados o setor elétrico e todas as obras federais; teste da imparcialidade, no entanto, será a estatal mineira Cemig, joia da coroa dos governos Aécio Neves (PSDB), sobre a qual o próprio Moro já manifestou suspeitas; investigação chegará lá? quando? como? por quem?

www.brasil247.com - Juiz responsável pelos processos da Lava Jato diz que "há indícios" de que o esquema de fraude vá "muito além" da Petrobras, atingindo outros setores públicos; constatação tem como base uma tabela "perturbadora", segundo Sergio Moro, do doleiro Alberto Youssef em que são citadas cerca de 750 obras públicas; oposição deve agora pressionar para que sejam investigados o setor elétrico e todas as obras federais; teste da imparcialidade, no entanto, será a estatal mineira Cemig, joia da coroa dos governos Aécio Neves (PSDB), sobre a qual o próprio Moro já manifestou suspeitas; investigação chegará lá? quando? como? por quem?
Juiz responsável pelos processos da Lava Jato diz que "há indícios" de que o esquema de fraude vá "muito além" da Petrobras, atingindo outros setores públicos; constatação tem como base uma tabela "perturbadora", segundo Sergio Moro, do doleiro Alberto Youssef em que são citadas cerca de 750 obras públicas; oposição deve agora pressionar para que sejam investigados o setor elétrico e todas as obras federais; teste da imparcialidade, no entanto, será a estatal mineira Cemig, joia da coroa dos governos Aécio Neves (PSDB), sobre a qual o próprio Moro já manifestou suspeitas; investigação chegará lá? quando? como? por quem? (Foto: Leonardo Attuch)


247 – Há indícios de que o esquema de cartel, superfaturamento e pagamentos de propina investigado pela Polícia Federal na Operação Lava Jato vá "muito além" da Petrobras, atingindo outros setores. A constatação é do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos referentes ao caso, com base em uma tabela apreendida com o doleiro Alberto Youssef em que são citadas cerca de 750 obras públicas em diversos setores de infraestrutura.

"Há indícios que os crimes transcenderam a Petrobras", disse Moro em despacho publicado na quarta-feira 3, pelo qual o juiz negou o pedido de revogação de prisão de Gerson de Mello Almada, vice-presidente da Engevix. No documento, ele classifica como "perturbadora" a tabela de Youssef. Constavam nela "a entidade pública contratante, a proposta, o valor e o cliente do referido operador, sendo este sempre uma empreiteira", descreve.

Em declaração recente, Moro disse que grande parte do esquema se mantém encoberto, sem possibilidade de se prever o tamanho do escândalo, nem partidarizar os envolvidos. Seu despacho dessa semana sinaliza que outros setores além do petróleo devem ser alvo de investigação. A oposição deverá agora pressionar para que a apuração atinja, por exemplo, o setor elétrico e todas as obras federais.

Neste cenário, o teste da imparcialidade será a estatal mineira Cemig, joia da coroa do governo Aécio Neves (PSDB), sobre a qual o próprio Sérgio Moro já afirmou ver suspeitas. O juiz apontou, em novembro, uma comissão de R$ 4,6 milhões paga pela InvestMinas, do empresário Pedro Paulo Leoni Ramos, à MO Consultoria, uma das empresas de fachada de Alberto Youssef, na venda de pequenas centrais hidrelétricas à Light, controlada pela Cemig. O caso será investigado pela PF.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A justificativa da InvestMinas para o pagamento a Youssef é a de que ele intermediou a venda, por R$ 26,5 milhões, da participação acionária da companhia na Guanhães Energia para a Light Energia, com intervenção da Cemig Geração e Transmissão S.A. O Ministério Público suspeita que os contratos e notas referentes à negociação sejam fraudulentos. Sérgio Moro já classificou a negociação, que não estaria relacionada aos desvios na Petrobras, como "suspeita".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A pergunta é: a nova leva de investigações, além Petrobras, atingirá a joia tucana?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email