Moro diz ser contra investigações de vazamentos de delações à imprensa

Responsável pela Lava Jato em primeira instância, o juiz federal Sergio Moro afirmou ser contrário à investigação de vazamentos à imprensa de trechos de delações premiadas sigilosas; "A partir do momento em que se compartilha a informação com outras pessoas, sempre vai surgindo a possibilidade de um vazamento ilegal. Pontualmente, realmente ocorreram vazamentos e muitas vezes se tenta investigar isso, mas é quase como se fosse uma caça a fantasmas, porque normalmente o modo de se investigar isso de maneira eficaz seria, por exemplo, quebrando sigilos do jornalista que publicou a informação. E isso nós não faríamos, porque seria contrário à proteção de fontes, à liberdade de imprensa. E eu não estou reclamando destas proteções jurídicas, acho importante", disse

Brasília- DF- Brasil- 07/04/2015- O juiz federal Sérgio Moro participa de apresentação de um conjunto de medidas contra a impunidade e pela efetividade da Justiça, na sede Associação dos Juízes Federais do Brasil (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Brasília- DF- Brasil- 07/04/2015- O juiz federal Sérgio Moro participa de apresentação de um conjunto de medidas contra a impunidade e pela efetividade da Justiça, na sede Associação dos Juízes Federais do Brasil (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)

Paraná 247 - Em entrevista após sua palestra em Harvard, nos EUA, o juiz federal Sergio Moro afirmou ser contrário à investigação de vazamentos à imprensa de trechos de delações premiadas sigilosas.

 "A partir do momento em que se compartilha a informação com outras pessoas, sempre vai surgindo a possibilidade de um vazamento ilegal. Pontualmente, realmente ocorreram vazamentos e muitas vezes se tenta investigar isso, mas é quase como se fosse uma caça a fantasmas, porque normalmente o modo de se investigar isso de maneira eficaz seria, por exemplo, quebrando sigilos do jornalista que publicou a informação. E isso nós não faríamos, porque seria contrário à proteção de fontes, à liberdade de imprensa. E eu não estou reclamando destas proteções jurídicas, acho importante", disse.

As informações são de reportagem de Ricardo Senra da BBC Brasil.

"No mês passado, Moro determinou a condução coercitiva do blogueiro Eduardo Guimarães que antecipou no Blog Cidadania a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O blogueiro teve o sigilo de sua fonte quebrado após seu material de trabalho, como computador e celulares, ser apreendido.

Após ser criticado por jornalistas e entidades, como a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Ong Repórteres sem Fronteiras, o juiz voltou atrás e determinou o sigilo do material apreendido onde continha o nome de quem passou a informação sobre Lula ao blogueiro.

O magistrado também argumentou que em alguns casos são feitas críticas improcedentes aos vazamentos da Lava-Jato, já que a Justiça Federal costuma divulgar documentos em seu site, à medida que os processos se tornem públicos. 'Nossa legislação exige que estes processos sejam conduzidos em público, que os julgamentos sejam públicos, e isso significa também que as provas acabam se tornando públicas em um momento no processo', disse."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247