Moro nega pela 4ª vez ouvir Tacla Duran, agora no caso do sítio

O juiz Sergio Moro indeferiu pela quarta vez a oitiva do advogado Rodrigo Tacla Duran requerida pela defesa do ex-presidente Lula. Desta vez, a negativa se deu na ação que trata de reformas no sítio de Atibaia; um dos argumentos usados por Moro é que "a oitiva da testemunha no exterior é prova custosa e demorada, justificando-se apenas excepcionalmente"

O juiz Sergio Moro indeferiu pela quarta vez a oitiva do advogado Rodrigo Tacla Duran requerida pela defesa do ex-presidente Lula. Desta vez, a negativa se deu na ação que trata de reformas no sítio de Atibaia; um dos argumentos usados por Moro é que "a oitiva da testemunha no exterior é prova custosa e demorada, justificando-se apenas excepcionalmente"
O juiz Sergio Moro indeferiu pela quarta vez a oitiva do advogado Rodrigo Tacla Duran requerida pela defesa do ex-presidente Lula. Desta vez, a negativa se deu na ação que trata de reformas no sítio de Atibaia; um dos argumentos usados por Moro é que "a oitiva da testemunha no exterior é prova custosa e demorada, justificando-se apenas excepcionalmente" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz Sergio Moro indeferiu pela quarta vez a oitiva do advogado Rodrigo Tacla Duran requerida pela defesa do ex-presidente Lula. Desta vez, a negativa se deu na ação que trata de reformas no sítio de Atibaia.

Após o advogado Rodrigo Tacla Durán ter afirmado na CPMI da JBS que os sistemas da contabilidade paralela da Odebrecht foram fraudados, a defesa de Lula pediu para que ele fosse ouvido na ação penal em que o ex-Presidente é acusado de ter recebido um imóvel para o Instituto Lula. O pedido foi negado em três oportunidades por Moro naquela ação penal.

Um dos argumentos usados por Moro é que "a oitiva da testemunha no exterior é prova custosa e demorada, justificando-se apenas excepcionalmente".

Na mesma decisão o juiz determinou a realização de prova pericial complementar nos sistemas de contabilidade paralela da Odebrecht "a fim de identificar e extrair eventuais lançamentos e documentos que digam respeito ao objeto da presente acusação (reforma no Sítio em Atibaia pelo Grupo Odebrecht).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247