Moro: tirar Dilma não é solução contra corrupção

Juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, disse em Curitiba que tirar a presidente Dilma Rousseff do poder não é a solução para o país; a declaração do magistrado ocorreu em palestra na Associação Médica do Paraná

Juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, disse em Curitiba que tirar a presidente Dilma Rousseff do poder não é a solução para o país; a declaração do magistrado ocorreu em palestra na Associação Médica do Paraná
Juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, disse em Curitiba que tirar a presidente Dilma Rousseff do poder não é a solução para o país; a declaração do magistrado ocorreu em palestra na Associação Médica do Paraná (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos em primeira instância da Operação Lava Jato, disse nesta quinta-feira 14, em Curitiba, que tirar a presidente Dilma Rousseff do poder não é a solução para o país.

A declaração do magistrado ocorreu em palestra na Associação Médica do Paraná, segundo informações do jornalista Esmael Morais. Na avaliação do juiz, não adianta mudar governo pensando que resolve problema de corrupção.

Sérgio Moro dissecou o funcionamento da "corrupção sistêmica" no Brasil e citou o exemplo da operação Mãos Limpas na Itália, que possibilitou o surgimento de Silvio Berlusconi e o consequente afrouxamento das leis e das penas aos corruptos.

Para Moro, a sociedade civil tem que se mobilizar caso contrário não haverá solução para a corrupção no Brasil e no mundo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247