MPF: ex-tesoureiro do PT recebeu propina de R$ 1 mi

Ex-vereador da cidade de Americana (SP) Alexandre Romano (PT) confessou ter repassado R$ 1 milhão do Consórcio Nova Cenpes para o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira por meio de contratos simulados; as contas de uma escola de samba e de um blog, por exemplo, foram usadas para fazer os repasses, informaram investigadores da Operação Lava Jato em coletiva de imprensa; grupo de empresas construiu o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, no Rio; 31ª fase, chamada "Abismo", foi deflagrada hoje

Ex-vereador da cidade de Americana (SP) Alexandre Romano (PT) confessou ter repassado R$ 1 milhão do Consórcio Nova Cenpes para o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira por meio de contratos simulados; as contas de uma escola de samba e de um blog, por exemplo, foram usadas para fazer os repasses, informaram investigadores da Operação Lava Jato em coletiva de imprensa; grupo de empresas construiu o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, no Rio; 31ª fase, chamada "Abismo", foi deflagrada hoje
Ex-vereador da cidade de Americana (SP) Alexandre Romano (PT) confessou ter repassado R$ 1 milhão do Consórcio Nova Cenpes para o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira por meio de contratos simulados; as contas de uma escola de samba e de um blog, por exemplo, foram usadas para fazer os repasses, informaram investigadores da Operação Lava Jato em coletiva de imprensa; grupo de empresas construiu o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, no Rio; 31ª fase, chamada "Abismo", foi deflagrada hoje (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O Ministério Público Federal (MPF) informou que o ex-vereador da cidade de Americana Alexandre Romano (PT) confessou ter repassado R$ 1 milhão do Consórcio Nova Cenpes para o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira por meio de contratos simulados. Ferreira teve mandado de prisão decretado nesta segunda-feira 4, mas ele já está preso desde 24 de junho, pela Operação Custo Brasil.

As contas de uma escola de samba e de um blog, por exemplo, foram usadas para fazer os repasses. Alvo da 31ª fase da Lava Jato, o consórcio pagou R$ 39 milhões em propina para conseguir um contrato na Petrobras, de acordo com o procurador da República Julio Carlos Motta Noronha. 

O grupo de empresas construiu o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da estatal, no Rio de Janeiro. O contrato foi assinado em 2008.

De acordo com com o MPF, R$ 18 milhões foram pagos para que a WTorre saísse da disputa. "Um contrato que com começou com valor de R$ 850 milhões terminou com valor superior a R$ 1 bilhão", disse o procurador em coletiva de imprensa.

As investigações apontaram que parte dos recursos desviados foi repassada para funcionários da Petrobras, da diretoria de Serviços, operadores e agentes políticos ligados ao PT.

Um dos alvos é o ex-tesoureiro do PT, que está detido desde 24 de junho, quando foi alvo da Operação Custo Brasil, que investiga fraudes no crédito consignado de servidores públicos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247