Para poder participar, Rocha Loures ajudava em qualquer coisa

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, homem da mala de Michel Temer flagrado com R$ 500 mil em propina da JBS, é descrito como uma pessoa gentil e risonha, sempre prestativo, que não hesitava em entregar seu cartão de visitas, com o número do celular escrito à mão, a jornalistas e interlocutores em Brasília; "No afã de participar, ajudava em qualquer coisa –agendava reuniões, fazia ligações, carregava malas"

rocha loures
rocha loures (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) teve um extenso perfil publicado nesta terça na Folha de S.Paulo.

O homem da mala de Michel Temer, flagrado com R$ 500 mil em propina da JBS, é descrito como uma pessoa gentil e risonha, sempre prestativo, que não hesitava em entregar seu cartão de visitas, com o número do celular escrito à mão, a jornalistas e interlocutores em Brasília.

"Quem conviveu com ele lembra de sua permanente presença em palanques e cerimônias, ainda que como papagaio de pirata. Foi assim no discurso da vitória da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2014, quando se posicionou entre Temer e Lula.

No afã de participar, ajudava em qualquer coisa –agendava reuniões, fazia ligações, carregava malas. Na sua primeira CPI, a da crise aérea, ainda sem posição de destaque, se ofereceu para traduzir a transcrição da caixa-preta do Legacy que colidiu com o avião da Gol, em 2006.

Perplexos com as denúncias, amigos lembram de seu engajamento na criação das barrinhas de cereal na empresa da família, a Nutrimental. Depois que a gestão da empresa foi profissionalizada (os sócios, por opção, decidiram afastar a família dos cargos executivos), ele ainda se envolveu no movimento "Nós Podemos", que incentivava o cumprimento dos objetivos do milênio –conjunto de metas sociais fixado pela ONU– no Paraná.

Muito da sua inspiração na vida pública veio do pai, que era professor da UFPR e foi presidente da Federação das Indústrias do Paraná."

As informações são de reportagem de Estelita Hass Carazzai na Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247