PGR pede urgência em julgamento de Gleisi e Paulo Bernardo

Em manifestação enviada ao Supremo, a Procuradoria Geral da República, comandada por Rodrigo Janot, sustenta que há provas evidentes de crimes; em maio, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro Paulo Bernardo foram denunciados sob a acusação de receber R$ 1 milhão para campanha da senadora em 2010 e, de acordo com depoimentos de delatores, o valor é oriundo de desvios de contratos da Petrobras

Em manifestação enviada ao Supremo, a Procuradoria Geral da República, comandada por Rodrigo Janot, sustenta que há provas evidentes de crimes; em maio, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro Paulo Bernardo foram denunciados sob a acusação de receber R$ 1 milhão para campanha da senadora em 2010 e, de acordo com depoimentos de delatores, o valor é oriundo de desvios de contratos da Petrobras
Em manifestação enviada ao Supremo, a Procuradoria Geral da República, comandada por Rodrigo Janot, sustenta que há provas evidentes de crimes; em maio, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro Paulo Bernardo foram denunciados sob a acusação de receber R$ 1 milhão para campanha da senadora em 2010 e, de acordo com depoimentos de delatores, o valor é oriundo de desvios de contratos da Petrobras (Foto: Gisele Federicce)

André Richter - Repórter da Agência Brasil

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) urgência no julgamento da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e do marido dela, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo.

Em maio, Gleisi e Bernardo foram denunciados ao Supremo sob a acusação de receber R$ 1 milhão para campanha da senadora em 2010 e, de acordo com depoimentos de delatores, o valor é oriundo de desvios de contratos da Petrobras. Ambos foram citados nas delações do doleiro Alberto Youssef.

Na manifestação enviada ao Supremo, a procuradoria sustenta que há provas evidentes dos crimes. "Há se reiterar que, segundo compreensão do MPF, há evidentes e hígidos elementos concretos para o recebimento da denúncia – que não deixam de existir diante das versões narradas nas respostas à acusação sob exame", diz a PGR.

Na defesa encaminhada ao Supremo, a defesa da senadora alegou que as acusações são "meras conjecturas feitas às pressas" em função de acordos de delação premiada.

"A requerida [senadora] jamais praticou qualquer ato que pudesse ser caracterizado como ato ilícito, especialmente no bojo do pleito eleitoral ao Senado Federal no ano de 2010, na medida em que todas as suas contas de campanha foram declaradas e integralmente aprovadas pela Justiça Eleitoral", diz a defesa.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247